Jogador de Camarões passa mal durante jogo contra a Colômbia e morre

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de junho de 2003 as 18:05, por: cdb

O meio-campo camaronês Marc-Vivien Foe, de 28 anos, jogador do Manchester City, morreu nesta quinta-feira, depois de desmaiar durante a partida em que sua seleção derrotou a Colômbia pelas semifinais da Copa das Confederações.

Foe, que jogou a Copa do Mundo de 2002, desmaiou em campo aos 27 minutos do segundo tempo e sofreu uma parada cardíaca. Os médicos tentaram reanimá-lo, com respiração boca-a-boca e tubos de oxigênio, mas ele não resistiu e veio a falecer, após ser levado para um hospital de Lyon.

– Tenho que dar uma triste notícia. O jogador Marc Vivien Foe faleceu. Ele foi levado para o departamento de primeiros socorros, tentaram reanimá-lo durante mais de 45 minutos, mas seu coração parou – disse Alfred Muller, médico suíço da FIFA responsável pela sede de Lyon da Copa das Confederações.

O médico da seleção colombiana, Hector Fabio Cruz, disse que o jogador “não entrou em parada respiratória e que chegou a reanimar-se num primeiro momento no campo, por isso é muito possível que a morte tenha sido causada por um aneurisma”.

Ao ser questionado sobre a demora da entrada da maca em campo, o médico não respondeu, afirmando apenas que um comunicado da FIFA será divulgado nas próximas horas. A partida ficou interrompida durante seis minutos, enquanto Foe era levado para o centro médico do estádio.

O técnico de Camarões, o alemão Winfried Schaeffer, assim como os demais integrantes da delegação, permaneceu no estádio Guerland, mas cancelou a entrevista coletiva programada e ainda não disse quais são seus planos para a final da Copa da Confederações, que sua equipe disputará domingo em Paris.

O técnico da seleção colombiana, Francisco Maturana, manifestou sua solidariedade com Camarões e, alegando que não era o momento apropriado para falar de futebol, também cancelou sua entrevista coletiva.

A segunda partida da semifinal da Copa de Confederações, disputada entre a França e a Turquia, começou com um ambiente triste, após um minuto de silêncio em homenagem ao jogador camaronês.

Os jogadores souberam da morte de seu companheiro quando estavam fazendo os exercícios de aquecimento e começaram a mostrar sua tristeza. O mais afetado foi o goleiro francês Gregory Coupet, que tinha atuado com Foe no Lyon.

Durante a partida, os jogadores franceses apontaram ao céu na comemoração do primeiro gol em homenagem ao companheiro camaronês. A França venceu a Turquia por 3 a 2 e se classificou para a final.

Marc-Vivien Foe iniciou a carreira no Canon Yaounde, clube de Camarões, pelo qual atuou entre os anos de 1993 e 94.

Mesmo com a péssima campanha da equipe na Copa dos EUA, desclassificada ainda na primeira fase, o meia conseguiu a sua primeira transferência internacional: foi contratado pelo Lens, da França.

Pelo Lens, Foe participou na campanha inédita do título do Campeonato Francês da temporada 97/98. Nesta mesma época, o camaronês fraturou a perna e perdeu a chance de disputar sua segunda Copa do Mundo.

Aliás, a recuperação do jogador acabou sendo lenta, uma vez que ele se recusava a operar e preferia se recuperar naturalmente.

Após se recuperar (nesse meio tempo ele perdeu a chance de se transferir para o Manchester United), Foe foi atuar pelo West Ham onde jogou até 2000. Da Inglaterra ele regressou para a França, onde jogou pelo Lyon, dono do seu passe até aqui.

Pelo time dos brasileiros Juninho Pernabucano e Sonny Anderson, Foe foi campeão da Copa da França de 2001 e conquistou o seu bicampeonato francês, no ano seguinte.

No ano passado, Foe participou da Copa do Mundo do Japão e Coréia do Sul. Novamente Camarões não passou da primeira fase, no grupo que tinha a vice-campeã Alemanha, Irlanda e Arábio Saudita. Emprestado pelo Lyon, o meia atuava até aqui pelo Manchester City, da Inglaterra.