Jader e ACM batem boca outra vez no Senado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de agosto de 2001 as 22:06, por: cdb

Dois ex-presidentes do Senado – o senador Jader Barbalho (PMDB-PA), atualmente licenciado do comando da Casa, e o ex-senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) – retomaram o bate-boca que vinham travando desde o início de 1999, e que havia sido interrompido com a renúncia de ACM. Nesta quarta-feira, voltaram a trocar frases ríspidas, graças à visita que Magalhães fez ao Congresso. ACM saiu na frente, dizendo que Jader devia “ser preso”. Barbalho reagiu afirmando que o ex-senador baiano “está perturbado”, uma vez que, ao se despedir do Senado, em maio, prestou-lhe uma homenagem e lhe fez elogios.

“O que ele (Magalhães) está dizendo agora não tem o menor fundamento”, afirmou Barbalho. Mas Antonio Carlos Magalhães, que ainda se encontra no Congresso, negou que tenha feito homenagem ou elogios a Barbalho no dia em que renunciou. “Jader mente, ele é um caso de polícia, não é um caso para o Senado”, declarou. “A ousadia de Jader é ilimitada, e, se o Senado se curvar, vai se desmoralizar. No meu caso, quiseram praticar a injustiça com rapidez”, acrescentou.

O ex-senador baiano, que está no gabinete do senador Antonio Carlos Júnior (PFL-BA) – seu filho e substituto no exercício do mandato – declarou ainda: “Há evidências tão grandes (contra Jader Barbalho) que ele mancha todos os lugares aos quais vai e acabará manchando o Senado também. Há provas até para prendê-lo”, concluiu.