Italianos organizam série de protestos contra decisão do Brasil em relação a Battisti

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 4 de janeiro de 2011 as 09:35, por: cdb

>
04/01/2011Italianos organizam série de protestos contra decisão do Brasil em relação a Battisti

BBC Brasil

Brasília – Parentes das vítimas de crimes atribuídos ao ex-ativista italiano Cesare Battisti, além de parlamentares de direita e esquerda, organizam para hoje (4) à tarde uma série de manifestações. A ideia é que os protestos ocorram em diferentes cidades da Itália e demonstrem a indignação contra a decisão do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva de não extraditar Battisti.

Há manifestações previstas para a frente das representações diplomáticas do Brasil na Itália – principalmente em Roma, na frente da embaixada, na Piazza Navona, e no consulado em Milão. Ainda em Milão, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, encontra-se com Alberto Torregiani, filho de uma das supostas vítimas de Battisti.

“O governo italiano está cumprindo todos os passos para reverter a situação”, disse o responsável internacional da Associação das Vítimas do Terrorismo na Itália, Luca Guglielminetti. “O Estado deve levar a questão novamente ao Supremo Tribunal Federal e tudo indica que também apresentará o caso na Justiça internacional, na Corte de Haia”, disse.

Em seguida, Guglielminetti  acrescentou que: “Apoiamos iniciativas de cidadãos rumo ao boicote, como por exemplo, de viagens de turismo ao Brasil, e a revisão das relações comerciais entre os dois países”, disse. “A decisão de Lula foi um sonoro tapa no rosto de toda a população, instituições públicas e familiares das vítimas italianas”.

O ministro da Defesa da Itália, Ignazio La Russa, afirmou que a recusa de Lula em entregar Cesare Battisti “foi uma punhalada pelas costas e um presente aos radicais chiques da França e aos extremistas de esquerda do Brasil”.

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, disse que o principal argumento do governo do seu país para garantir a extradição é o desrespeito ao Tratado de Extradição assinado com o Brasil.

Para o jurista internacional italiano Antonio Cassese, “o Brasil não vai voltar atrás” e “somente a ONU [Organização das Nações Unidas] poderá resolver o caso”. Ele disse ainda que “qualquer jurista dotado de um mínimo de equilíbrio diria que o Brasil violou o Tratado de Extradição”.

“O Brasil e a Itália assinaram ainda um acordo em 1954 que prevê a criação de uma Comissão de Conciliação que, em quatro meses, pode resolver as controvérsias entre os dois Estados. Essa comissão seria composta por um brasileiro, um italiano e uma terceira autoridade a ser designada em comum acordo”, acrescentou Cassese.

Uma das alternativas sugeridas pelo jurista é que comissão opte por uma saída “honrosa” para os dois países, determinando a extradição de Cesare Battisti sob determinadas condições especiais.

Leia também:

Defesa de Battisti entra com pedido de soltura no STF Governo italiano pode recorrer à Corte de Haia sobre caso Battisti, afirma chanceler Garcia ameniza conflito diplomático entre Brasil e Itália por causa de decisão sobre Battisti Decisão de Lula sobre o caso Battisti foi correta, afirma Cardozo Presença de embaixador italiano na posse de Dilma é vista como positiva por Patriota Procurador-geral da República defende manutenção da decisão de Lula no caso Battisti Para Adams, Itália não terá sucesso se recorrer contra decisão de manter Battisti no Brasil Itamaraty afirma que embaixador da Itália é aguardado na posse de Dilma Rousseff AGU cita brecha em tratado de extradição para justificar decisão no caso Battisti Decisão brasileira sobre Battisti é destaque na mídia internacional Situação de Battisti só deve ser resolvida em fevereiro pelo STF Advogado de Battisti comemora decisão de Lula e reafirma inocência de ex-ativista italiano Cesare Battisti deve permanecer no Brasil como imigrante