Israel reitera exigência para cessar-fogo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 3 de janeiro de 2002 as 01:58, por: cdb

O primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, reiterou sua exigência de que sete dias sem violência passem no Oriente Médio antes que Israel cogite a assinatura de um acordo de cessar-fogo com os palestinos. Além disso, Sharon deixou claro que não considera suficiente a relativa tranqüilidade na região durante as últimas duas semanas.

Apesar disso, o primeiro-ministro disse que Israel pode amenizar seus bloqueios aos territórios palestinos. Nesta quinta-feira, o enviado especial dos Estados Unidos para o Oriente Médio, Anthony Zinni, deve iniciar uma nova missão no Oriente Médio.

A expectativa é que o general Zinni pressione israelenses e palestinos para que implementem um acordo de cessar-fogo. A idéia seria colocar em prática, primeiramente, uma série de medidas para pacificar a região, criando um cessar-fogo normal e aumentando a confiança entre os dois lados. A partir disso, seriam criadas condições para a retomada das negociações de paz entre israelenses e palestinos.

O general Zinni deve permanecer apenas quatro dias na região. Correspondentes da BBC no Oriente Médio acreditam que esse é um prazo muito curto para que o enviado possa resolver as divergências entre os dois lados em relação ao chamado Plano Mitchell e, assim, estimular um consenso quanto sobre um cronograma de paz.

Segundo o plano Mitchell, depois da redução da violência, Israel deve anunciar o congelamento total da construção de assentamentos, suspender o bloqueio que decretou aos territórios palestinos, retirar suas tropas das áreas ocupadas desde o início dos conflitos em Setembro do ano 2000, e libertar prisioneiros palestinos não envolvidos em atividades terroristas.

Pelo seu lado, a Autoridade Palestina deve impedir ataques contra alvos israelenses, colaborar com as forças de segurança de Israel e parar o incitamento contra Israel nos meios de comunicação palestinos. Apesar disso, o líder palestino Yasser Arafat disse que a chegada de Zinni é uma nova oportunidade de retomar os esforços para um acordo com Israel. “Nós esperamos que a visita de Zinni seja bem-sucedida, de modo que possamos colocar as coisas em seus trilhos”, disse Arafat.