Israel erguerá 3 mil casas em territórios palestinos, diz jornal

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 30 de novembro de 2012 as 15:11, por: cdb

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu construirá três mil unidades de habitação nos territórios ocupados da Cisjordânia e em Jerusalém oriental. A ação seria uma resposta à votação realizada na ONU (Organização das Nações Unidas) nesta quinta (30) que elevou a Palestina a estado observador não-membro na entidade, informa o jornal israelense Haaretz, citando uma fonte diplomática.
De acordo com o diário, se o projeto for levado adiante, ele irá contrariar compromissos assumidos com a administração do presidente norte-americano, Barack Obama, de não construir novos assentamentos na chamada área E1, próxima a Jerusalém.

Essa zona liga a capital com o assentamento de Ma’aleh Adumim, que conta com 34 mil habitantes. Caso esse plano seja colocado em prática, essas construções iriam interromper a continuidade territorial entre o norte e o sul da Cisjordânia, comprometendo o funcionamento de um futuro estado palestino.

No início de seu mandato, em 2009, Netanyahu teria se comprometido com os EUA, seu principal aliado e que tenta se impor no papel de mediador no conflito, de que não iria realizar construções naquela área. Esse acordo já havia sido firmado com seus dois antecessores, Ehud Omert e Ariel Sharon.

Segundo disse a fonte diplomática ao Haaretz, as construções seriam realizadas de acordo com os “interesses estratégicos” de Israel. Outras medidas de retaliação também estariam sendo consideradas.

ONU

Ontem, dos Estados membros com direito a voto no plenário, 138 concordaram com a proposta de dar à Palestina o status de Estado observador e apenas nove foram contrários à decisão (EUA, Israel, Canadá, República Tcheca, Palau, Nauru, Micronésia, Ilhas Marshall e Panamá). Outros 41 países se abstiveram.

Depois da votação, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que após um dia que qualificou de “histórico” é “urgente” que palestinos e israelenses retomem “negociações” diretas. “Acho que os palestinos têm seu legítimo direito a ter seu próprio Estado independente e Israel tem direito a viver com segurança dentro de suas fronteiras”, ressaltou Ban, que reiterou que “não pode haver substitutos às negociações diretas”.

Os EUA, por sua vez, criticaram o novo status concedido à Palestina. “É uma resolução infeliz e por isso votamos contra”, afirmou a embaixadora norte-americana nas Nações Unidas, Susan Rice, que classificou a decisão de “contraproducente”.

No discurso que precedeu o pleito, o presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, afirmou que a Palestina “acredita na paz” e que a comunidade internacional está diante da “última oportunidade” para a solução dos conflitos entre os dois Estados.

Fonte: Opera Mundi

 

..