Israel e palestinos declaram fim da violência

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 8 de fevereiro de 2005 as 14:26, por: cdb

, Egito (Reuters) – Líderes israelenses e palestinos anunciaram no Egito, na terça-feira, o fim formal de mais de quatro anos de derramamento de sangue.

O presidente palestino Mahmoud Abbas disse que acordou com o primeiro-ministro israelense Ariel Sharon o fim de toda a violência. Sharon declarou o fim da atividade militar. Os anúncios foram feitos na reunião de Sharm el Sheikh, vista como passo decisivo no sentido de retomada das negociações de paz.

– Acordamos com o primeiro-ministro Ariel Sharon o fim de todos os atos de violência contra israelenses e palestinos, estejam onde estiverem – disse Abbas no resort turístico de Sharm el Sheikh, às margens do Mar Vermelho.

– A calma que vai prevalecer em nossas terras a partir de hoje constitui o início de uma nova era.

Sharon disse:

– Pela primeira vez em muito tempo há esperança em nossa região de um futuro melhor para nós e para nossos netos.

Foi o encontro de mais alto nível entre os dois lados desde o início do levante palestino, em 2000, após o fracasso das conversações de paz.

Os dois lados não assinaram um acordo formal de cessar-fogo, e Israel destacou que estava tratando apenas com a Autoridade Palestina de Mahmoud Abbas, não com os militantes responsáveis pelos ataques.

O anfitrião do encontro, o presidente egípcio Hosni Mubarak, e o rei Abdullah, da Jordânia, somaram seu peso a uma cúpula que pode preparar o terreno para a retomada do “mapa do caminho”, apoiado pelos EUA, em direção à criação de um Estado palestino lado a lado com Israel com garantias de segurança.

Os Estados Unidos vêm destacando seu novo compromisso com a proposta de buscar a paz desde a morte do líder ícone Yasser Arafat, a quem Washington e Israel viam como obstáculo à paz.

Dúvidas em relação a grupos militantes

Apesar dos anúncios, porém, restam dúvidas quanto à adesão dos grupos militantes responsáveis por ataques suicidas e outros, emboras eles tenham concordado com uma trégua “de fato”.

– Não faz sentido falar em trégua neste momento – disse Hassan Youssef, do Hamas, à televisão Al Jazeera.

– Não vimos qualquer pressão séria do lado israelense para tomar medidas concretas que comprovem sua seriedade.

As facções dizem que a promessa israelense de libertar 900 dos 8.000 prisioneiros palestinos, retirar suas tropas e pôr fim aos assassinatos políticos não são o suficiente.

Embora Abbas queira cooptar os militantes em lugar de refrear sua ação pela força, autoridades israelenses disseram querer que os grupos sejam desfeitos e sugeriram que até o fato de os grupos continuarem a construir foguetes pode ser visto como violação do cessar-fogo.