Iraquianos querem EUA fora do país o quanto antes, diz pesquisa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 19 de março de 2007 as 12:04, por: cdb

No fim do quarto ano da invasão dos Estados Unidos e seus aliados no Iraque, a população iraquiana se mostra cada vez mais desiludida com o resultado da ação e perde as esperanças em relação ao futuro do país, de acordo com uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira. O levantamento, encomendado pela BBC, a rede norte-americana de televisão ABC News, o canal alemão ARD e o jornal norte-americano USA Today, foi realizado pela D3 Systems com mais de duas mil pessoas em mais de 450 bairros e regiões nas 18 províncias do Iraque, entre 25 de fevereiro e cinco de março de 2007.

A margem de erro é de 2,5%. Os resultados diferem muito dos obtidos na pesquisa anterior, conduzida em novembro de 2005, quando estavam sendo realizadas eleições no país e o otimismo tinha crescido em relação ao primeiro levantamento, de fevereiro de 2004. Em 2005, 71% dos iraquianos consideravam que suas vidas estavam indo bem. Neste ano o número caiu para 39%. O otimismo em relação ao futuro também diminuiu: na pesquisa anterior, 64% dos entrevistados acreditavam em uma vida melhor dentro de um ano, enquanto que na mais recente apenas 35% pensam desta forma.

A qualidade de vida dos iraquianos tem grande influência no atual pessimismo verificado na pesquisa. A grande maioria dos entrevistados avaliou como “ruim” ou “muito ruim” os seguintes aspectos do dia-a-dia: oferta de emprego (79%), disponibilidade de eletricidade (88%), de água limpa (69%) e de combustível para cozinhar ou dirigir (88%).

Falta de Segurança

A falta de segurança continua sendo uma das grandes preocupações para os participantes da pesquisa, cuja confiança nas autoridades do país diminuiu um pouco, porém ainda continua sendo muito maior do que a depositada nas forças de ocupação lideradas pelos Estados Unidos. Cerca de 18% dos iraquianos dizem ter confiança nas tropas estrangeiras, enquanto que 61% confiam no Exército iraquiano e 64% na polícia do país. Além disso, 51% consideram aceitáveis ataques contra as forças de coalizão (comparado com 17% em 2004), enquanto que 88% julgam ataques contra as forças iraquianas inaceitáveis.

Na opinião do diretor do Centro de Pesquisas do Golfo, Mustafa Alani, que é iraquiano e vive em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, é justamente o processo político que precisa de profundas mudanças para os problemas do Iraque serem resolvidos também na área da segurança.

– Nos últimos quatro anos, o processo político foi um grande fracasso, porque tentou cuidar do problema apenas com medidas de segurança. A raiz do problema foi introduzida pelos norte-americanos, por meio do processo político realizado no Iraque, por causa da Constituição adotada e dos acordos realizados entre os que estão governando o país – disse.

Segundo o cientista político, os grupos que lutam contra a atual situação nunca vão estar satisfeitos se não houver uma grande mudança na estrutura do Estado e alterações na Constituição, “que atualmente é uma grande reivindicação”.

– O processo político tem de andar lado a lado com o processo de segurança. Se os americanos realmente querem estabilizar o país, eles têm de tomar uma iniciativa por reformas políticas. Eles vão enfrentar uma grande resistência do grupo que atualmente governa o país, mas eu acredito que sem isso nenhum plano de segurança pode ser bem-sucedido. Pode funcionar durante alguns meses, mas não em um longo prazo – explica Alani.

Os iraquianos entrevistados também não expressam muita confiança na eficácia do plano norte-americano de aumentar o número de soldados na capital iraquiana Bagdá e em Anbar: 29% acreditam que a segurança vá melhorar com a medida e 49% apostam em uma piora da situação. A maioria (69%) também acredita que a presença das forças norte-americanas no Iraque está piorando a situação de segurança no país, e o coro a favor da saída imediata das tropas estrangeiras aumentou em relação a 2005: 35%