Irã reage as acusações dos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 29 de maio de 2003 as 01:49, por: cdb

Líderes iranianos rejeitaram as acusações e insinuações feitas por representantes do governo dos Estados Unidos, na terça-feira.

Os americanos disseram que o Irã estaria interferindo no processo de reestruturação do Iraque e que o país estaria também protegendo terroristas e desenvolvendo armas nucleares.

O líder religioso supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, condenou os Estados Unidos durante reunião do Parlamento nesta quarta-feira.

O presidente do Irã, Mohammad Khatami, e o ministro das Relações Exteriores iraniano, Kamal Kharrazi, também aproveitaram seus discursos no Parlamento para criticar as últimas declarações americanas em relação ao país.

O aiatolá Khamenei foi enfático ao comentar as declarações americanas de que o Irã teria que mudar suas políticas para deixar de fazer parte do “eixo do mal”.

– Nós temos que fazer isso (o que os americanos querem) para que eles nos retiram do eixo do mal. Que tipo de diálogo é esse? Quem eles pensam que são? – disse o aiatolá.

O líder espiritual pediu aos parlamentares para que não cedam às pressões dos Estados Unidos.

O presidente iraniano, em seu discurso, rejeitou o aviso americano para que o Irã não tente construir uma república islâmica no Iraque.

Khatami disse que “o povo muçulmano do Iraque” tem o direito de esperar que o “regime político seja escolhido pelo povo iraquiano”.

As declarações dos líderes iranianos são uma resposta ao governo americano que, na terça-feira, voltou a fazer advertências ao país.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, anunciou que qualquer tentativa iraniana de influenciar o Iraque para que ele se torne um país de governo islâmico será duramente rechaçada.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Kamal Kharrazi, também rejeitou as acusações de que o país esteja desenvolvendo armas nucleares.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da Organização das Nações Unidas vai divulgar um relatório sobre o programa nuclear do Irã no próximo dia 16.