Irã não sabe ainda se conversa com norte-americanos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 14 de novembro de 2006 as 13:08, por: cdb

Porta-voz do Irã disse, nesta terça-feira, que o país ainda não decidiu se conversará com os Estados Unidos a respeito do Iraque, mas que analisará eventuais propostas de Washington nesse sentido. Os EUA atualmente tentam impor sanções da ONU ao Irã devido ao seu programa nuclear. Ao mesmo tempo, uma comissão está revendo as estratégias norte-americanas no Iraque e possivelmente recomendará uma abordagem ao Irã e à Síria. Irã e EUA romperam relações diplomáticas em 1979, depois que estudantes iranianos invadiram a embaixada norte-americana em Teerã e mantiveram 52 reféns durante 444 dias.

Mas já houve aproximações prévias, e em março tudo indicava que haveria uma negociação a respeito do Irã. Em abril, porém, o presidente Mahmoud Ahmadinejad disse que o Irã considerava tal diálogo desnecessário. Manouchehr Mottaki, porta-voz da chancelaria, disse em entrevista coletiva que o Irã vai analisar uma eventual abordagem dos EUA, mas que isso “não necessariamente significa dar uma resposta positiva”.

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, aliado incondicional dos EUA, é um dos defensores da aproximação com Irã e Síria para resolver a questão do Iraque. A mesma proposta talvez conste do relatório que será apresentado em breve ao governo Bush pelo Grupo de Estudos do Iraque, uma comissão bipartidária que analisa alternativas estratégicas. No mês passado, o embaixador norte-americano no Iraque, Zalmay Khalilzad, disse que “rivais estrangeiros”, como Irã e Síria, estavam tentando dividir o povo iraquiano em bases sectárias.

O Irã, muito ligado à maioria xiita do Iraque, nega que dê apoio a grupos armados no país vizinho e atribui a violência à ocupação norte-americana. Os EUA dizem que só vão discutir a questão nuclear com o Irã se o país abandonar seu programa de enriquecimento de urânio, o que aparentemente não irá acontecer.

– A posição do Irã no caso nuclear é clara. Não temos qualquer pedido de negociação (com os EUA) – disse Mottaki.