Irã mantém intacto seu programa nuclear

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de abril de 2006 as 12:35, por: cdb

O Irã não interrompeu seu enriquecimento de urânio, afirmou nesta sexta-feira o chefe da AIEA, Mohamed ElBaradei, em um informe que divulga o fim do prazo dado pela ONU e que abre as portas para possíveis sanções internacionais. Em conseqüência disso, o Conselho de Segurança da ONU recebeu o informe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a respeito do caso do Irã, conforme informou o presidente do Conselho, Wang Guangya.

O Irã não colaborou por completo com os inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica para que estes pudessem determinar se a República Islâmica realiza um programa nuclear civil ou militar”, afirmou o chefe da AIEA, Mohamed ElBaradei, em seu informe. A AIEA não exclui que o Irã tenha recebido plutônio do estrangeiro, segundo ElBaradei em seu informe.

Solução diplomática

O presidente norte-americano, George W. Bush, disse nesta sexta-feira que deseja resolver a questão nuclear iraniana diplomática e pacificamente. Falando depois de um encontro com o presidente do Azerbaidão, Ilham Aliyev, Bush disse:

– Eu garanti ao presidente meu desejo de solucionar esse problema diplomaticamente e pacificamente.

As declarações de Bush foram feitas no dia em que a agência nuclear da Organização das Nações Unidas divulgou um relatório, no qual diplomatas disseram ter descoberto que o Irã ignorou um pedido do Conselho de Segurança da ONU para suspender todo o enriquecimento de combustível nuclear até esta sexta-feira.

Retomada das negociações

Secretário do Conselho para a Determinação do Irã, Hashemi Rafsanjani pediu nesta sexta-feira às partes implicadas no diálogo com Teerã que retomem as negociações sobre o polêmico programa nuclear iraniano. Rafsanjani fez este pedido durante o sermão que pronunciou na reza comunitária do meio-dia na Universidade de Teerã, segundo a imprensa local.

– Não incomodem vocês mesmos, nem a região, nem o Irã. Não façam coisas que criam problemas para os outros e voltem à mesa de negociações – pediu o responsável iraniano, referindo-se aos EUA e aos países europeus.

Ao falar sobre a tecnologia nuclear desenvolvida no país, o ex-presidente iraniano afirmou que “não se pode tirar uma ciência das mãos de um povo, a menos que este a esqueça por si mesmo. No entanto, no nosso caso não será assim”.

– Os iranianos querem dar confiança e oferecer com clareza ao mundo esta ciência que obtiveram com seu próprio esforço físico e mental. Ninguém pode deter uma ciência nacional em que milhares de pessoas, cientistas e técnicos trabalharam durante 25 anos – afirmou.

Em referência ao relatório que o diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohammed ElBaradei, apresentará hoje sobre o programa nuclear iraniano, Rafsanjani advertiu os americanos e europeus de que “tenham cautela e pensem nas conseqüências que suas decisões podem ter”.

– O relatório de ElBaradei pode servir de base para adotar futuras decisões, por isso é preciso agir com cautela e ter cuidado, já que (estas decisões) podem ter conseqüências – concluiu.