Irã desafia EUA para partida de futebol feminino

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 8 de março de 2003 as 22:43, por: cdb

Se o vizinho Irã teve dificuldades para formar uma seleção feminina -até 1997 as mulheres eram proibidas de praticar o esporte-, o Iraque tem a sua desde 1992.

De acordo com a federação iraquiana, no ano passado a entidade comemorou dez anos da formação de sua equipe de mulheres. E fez um desafio, repetido no mês passado, à seleção norte-americana, considerada uma das potências do futebol feminino.

O convite -para um jogo amistoso em Bagdá, que poderia ser seguido de uma partida nos Estados Unidos- não foi aceito. Ou melhor, segundo os iraquianos, nem resposta teve.

No ano passado, quando o alemão Bernd Stage foi contratado para dirigir a seleção masculina do Iraque, a federação pediu para ele indicar duas mulheres para dirigirem a equipe feminina.

Mas ele acabou não atendendo ao pedido. Apesar de ter assinado contrato por quatro anos com os iraquianos, Stage, que trabalhou como informante da polícia da antiga Alemanha Oriental, dizia não ter condições de saber se ele próprio poderia continuar trabalhando no país.

O técnico, que chegou a romper o acordo com os iraquianos e depois voltou atrás, insistia que não havia muito o que fazer porque a pressão internacional contra o país era muito forte.

Ele próprio vinha dirigindo a equipe de longe e desde o início atuou mais como um consultor técnico do que como um treinador propriamente dito.

Mandou um auxiliar comandar o time olímpico, que disputou duas partidas -perdeu para o Qatar por 2 a 1 e empatou com Bahrein por 2 a 2.
Mas o grande objetivo da comissão técnica era classificar a seleção para a Copa de 2006 -o Iraque disputou o Mundial de 1986, no México, e depois disso nunca mais conseguiu uma vaga.

A própria federação iraquiana admite que a hipótese é muito pequena. Nashat Naser, supervisor da associação comandada por Udai Hussein, disse que a seleção do país tem que pensar a longo prazo. “Os últimos dez anos foram quase perdidos. Podemos pensar em ir para a Copa de 2014 ou até para a de 2010, mas para a de 2006 é muito difícil.”