Irã continuará enriquecendo urânio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de maio de 2006 as 08:36, por: cdb

O Irã tem intenção de continuar enriquecendo urânio dentro de seu território, descartando a proposta russa de fazê-lo fora do país, segundo o porta-voz da Presidência iraniana, Gholamhussein Elham.

Elham, citado pela televisão pública, assegurou que nas conversas de ontem entre os conselheiros de segurança da Rússia, Igor Ivanov, e do Irã, Ali Larijani, “não se fez nenhuma alusão à renúncia ao enriquecimento dentro do Irã”.

A Rússia propôs há meses que o Irã enriqueça o urânio em território russo como uma solução de compromisso que evite que a República Islâmica seja objeto de sanções por parte do Conselho de Segurança, mas Teerã sempre se mostrou ambíguo frente a esta proposta.

O porta-voz presidencial lembrou que, para as necessidades iranianas de conseguir combustível nuclear, basta conseguir um enriquecimento de entre 3,5 e 5%.

Em todo caso, Elham disse que as conversas entre Larijani e Ivanov “foram boas e positivas, e o eixo das mesmas era manter o caso nuclear iraniano dentro do organismo (a Agência Internacional de Energia Atômica, AIEA)”.

Ontem, Ivanov disse que a Rússia ajudará o Irã a finalizar as instalações de seu reator nuclear em Bushehr.

Rússia e China são os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU que se opuseram, até o momento, a impor sanções econômicas ao Irã como meio de pressão para conseguir que Teerã suspenda suas atividades nucleares, tal como desejam os EUA e os países europeus.

A Rússia constrói uma usina nuclear em solo iraniano na localidade de Bushehr, no Golfo Pérsico. A central começou a ser levantada em 1975 pela empresa alemã Siemens, mas não foi concluída.

Em 1995, as autoridades russas e iranianas assinaram um acordo, avaliado em US$ 780 milhões, para terminar conjuntamente a construção da central. No entanto, um novo contrato, firmado três anos depois por um montante superior a US$ 1 bilhão, deixou todas as obras da central a cargo de especialistas russos.