Ipea prevê crescimento aquém do previsto

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de março de 2007 as 13:02, por: cdb

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), ligado ao Ministério do Planejamento, revisou para cima a projeção de crescimento da economia neste ano, mas o resultado ainda está muito aquém do que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva previu para este ano. Segundo o instituto, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve fechar 2007 com expansão de 3,7%.

Em sua última projeção, realizada em dezembro, o Ipea previa uma expansão de 3,6%. Mesmo com a revisão, os números estão inferiores à previsão feita no dia do lançamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em documento distribuído pelo Palácio do Planalto a jornalistas, que previa alta de 4,5%, este ano. A projeção do Ipea também contradizem o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para quem o Brasil deverá crescer acima de 4%.

Em 2006, o PIB ficou em 2,9% e, em 2005, de 2,3%. Para 2008, 2009 e 2010, o PAC prevê um crescimento de 5%. Segundo relatórios anteriores do Ipea, entretanto, esse percentual só poderia ser alcançado na próxima década.

A projeção do instituto para 2006 é, no entanto, superior à do mercado financeiro. Segundo o último Relatório de Mercado divulgado pelo Banco Central, analistas prevêem expansão de 3,5%.

Relatório

O Boletim Trimestral de Conjuntura, do Ipea, também destaca que os investimentos no Brasil devem continuar se expandindo em 2007. Segundo o instituto, a projeção é que os investimentos no país neste ano cheguem a 8% do PIB brasileiro, enquanto em dezembro a expectativa era de que a taxa ficasse em 7,4% de tudo o que é produzido no Brasil.Em relação à inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a projeção do trimestre encerrado em março aponta para uma queda em relação à análise feita em dezembro de 2006.