Investidores temem moratória argentina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 12 de agosto de 2001 as 13:12, por: cdb

Os papéis argentinos deixaram de ser atrativos para a Baring High Yel Bond Fund, como afirma o gerente Marino Valensise, de Londres. Ele prefere investir o dinheiro dos clientes que querem estar presentes no mercado sul-americano em papéis do Brasil.

– Não compramos títulos argentinos há 12 meses. Preferimos o Brasil, pois o preço dos títulos brasileiros vêm caindo nas últimas duas ou três semanas e empurrando os rendimentos entre 8,5 e 9,5 pontos percentuais acima do Tesouro dos EUA, a 13,5 e 14,5 por cento – afirma Valensise.

Apesar do racionamento de energia, segundo cálculos financeiros da Baring, o Brasil continuará crescendo “provavelmente 2,5 por cento ao ano”, diz o gerente.

– A Argentina tem o crescimento negativo e R$ 100 bilhões em débitos com investidores estrangeiros e nacionais. O preço de seus títulos mergulharam e estão, agora, em 20 ou 25 por cento de seu valor de face. Isso também é muito atrativo, mas quem compra sabe que corre o risco de não ver o seu dinheiro de volta.