Inquérito sobre morte de Serginho chega ao fim

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de janeiro de 2005 as 11:47, por: cdb

A última peça que faltava no inquérito sobre a morte do zagueiro Serginho do São Caetano – o parecer da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) – foi entregue ao 5º Tribunal do Júri da Capital, segundo publica hoje o jornal O Estado de S. Paulo.

As informações são sigilosas, mas confirmam que o atleta não poderia desempenhar atividades esportivas. Agora o promotor encarregado do caso, Rogério Leão Zagallo, vai denunciar o presidente do clube, Nairo Ferreira de Souza, e o médico Paulo Forte.

O cardiologista Antônio Carlos Lopes, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), passou uma semana analisando todos os exames feitos por Seginho no ano passado e o laudo da necropsia.

– Recebi os exames pouco após o Natal e, junto com meus assistentes, conclui meu parecer, que é sigiloso. Entreguei pessoalmente o envelope lacrado ao tribunal – diz Lopes.

Segundo a Rede Globo, o parecer aponta que Serginho não poderia praticar esporte nem como lazer, e ainda deveria ser submetido a um transplante de coração caso o problema evoluísse.
Nairo já foi suspenso de suas atividades por dois anos, e Forte terá que ficar quatro anos longe da medicina. Os dois serão indiciados por homicídio doloso (em que há intenção de matar) e podem pegar de 12 a 30 anos de prisão.