Inquérito sobre morte da princesa Diana vai à juri

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de março de 2007 as 21:11, por: cdb

A Suprema Corte da Grã-Bretanha determinou nesta sexta-feira que os inquéritos sobre as mortes da princesa Diana e de Dodi Al Fayed, há quase dez anos, devem ir a júri.
A decisão, aprovada por três juízes, é uma vitória para o dono da tradicional loja de departamentos londrina Harrods, Mohamed Al Fayed, pai de Dodi.

– É uma boa vitória, mas é apenas o começo da minha batalha por justiça, que já dura dez anos -, disse Al Fayed, logo após o anúncio da decisão.

O tribunal rejeitou o parecer da baronesa Elizabeth Butler-Sloss, responsável pela investigação sobre a causa das mortes, que havia decidido analisar o caso sozinha.

A princesa Diana, Dodi Al Fayed e o motorista do casal morreram quando a Mercedes-Benz em que estavam se chocou contra uma das pilastras do túnel sob uma de Paris em 31 agosto de 1997.

Mohamed Al Fayed havia pedido que importantes integrantes da família real, incluindo o príncipe Philip e o príncipe Charles, testemunhassem no caso.

O empresário afirmou que seus advogados vão precisar de tempo para se preparar, mas disse que espera que o inquérito ocorra antes do décimo aniversário da morte de seu filho e da princesa, em agosto.

Uma audiência preliminar deve ocorrer na próxima segunda-feira. Os dois inquéritos, relativos às duas mortes, serão submetidos a um júri, ao mesmo tempo, em maio.

A morte de Diana e Dodi Al Fayed ocorreu quando o casal fugia de fotógrafos paparazzi depois de deixar o Hotel Ritz em direção ao apartamento de Al Fayed.

Uma investigação de três anos da Polícia Metropolitana de Londres não encontrou provas de conspiração para matar o casal.

O relatório sobre o inquérito disse que o motorista estava dirigindo em alta velocidade e que
havia consumido álcool além do limite para dirigir.

Mohamed Al Fayed disse que o relatório era “altamente insatisfatório” e que havia deixado questões “sem resposta”.