Inflação oficial sobe, mas preços se mantêm dentro da meta

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 10 de novembro de 2006 as 11:18, por: cdb

A inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,33% em outubro. O percentual foi maior do que o de setembro (0,21%) e menor do que o de outubro do ano passado (0,75%). Com o resultado, divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE) a inflação acumulada de janeiro a outubro deste ano está em 2,33%. Nos últimos doze meses, a taxa acumulou 3,26%.

De acordo com o IBGE, a variação nos preços de produtos alimentícios (0,88%) foi a principal responsável pela alta no IPCA de setembro para outubro.

Os produtos alimentícios foram os principais responsáveis pela alta do índice. Conforme comunicado do IBGE “a maior contribuição individual no índice de outubro veio do item carnes, que no período de entressafra subiu 4,51%”. Além de alimentos, os salários de empregados domésticos foram destaque, com variação de 1,39%. Outros aumentos como cigarros (1,31%), serviços de cabeleireiro (1,18%) e artigos de vestuário (0,64%) também contribuíram para o avanço do IPCA.

Os preços dos combustíveis, entretanto, contribuíram para que o IPCA não subisse mais. O álcool, por exemplo, recuou 3,28%, enquanto a gasolina apresentou queda de 0,11%.

De janeiro a outubro, o IPCA acumulou um avanço de 2,33%. Nos últimos 12 meses, o índice subiu 3,26%. Nos dois casos, as variações estão bem abaixo do centro da meta de inflação fixada pelo governo, de 4,55%.

O IPCA é o índice oficial do governo federal  para medição das metas inflacionarias contratadas com o FMI a partir de julho de 1999. Calculado pelo IBGE, o índice verifica as variações dos gastos das pessoas que ganham de um a 40 salários mínimos nas regiões metropolitanas de Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, município de Goiânia e Distrito Federal.

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) apresentou em outubro alta de 0,43%, ante avanço de 0,16% em setembro. Este indicador mede a inflação para as famílias com renda de 1 a 6 salários mínimos.