Inflação bate recorde

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 27 de dezembro de 2002 as 00:36, por: cdb

A inflação medida pelo IGP-M (Índice Geral de Preços ao Mercado) fechou o ano de 2002 com alta de 25,31%, a maior desde a criação do Plano Real, informou a FGV (Fundação Getúlio Vargas).

É o primero índice fechado de inflação deste ano. Como apura a inflação ainda no atacado, a metodologia do IGP-M permite a divulgação do índice mensal fechado uma semana antes da virada do mês.

Até então, as maiores inflações anuais pelo IGP-M foram em 1999 -ano da desvalorização do Real- quando bateu em 20,10% e em 1994 -ano da implantação da moeda-, quando somou 20,10%.

Desaceleração

No mês de dezembro, o IGP-M ficou em 3,75%. A variação é menor que os 5,19% verificados em novembro e confirma a tendência de desaceleração da inflação que já vinha sendo registrada nas primeiras prévias do mês calculadas pela FGV. A taxa também é menor que os 3,87% de outubro.

No ano, os preços no atacado subiram 33,64%. Mas no mês de dezembro, o IPA (Índice de Preços no Atacado) manteve a tendência de arrefecimento verificada desde o final de novembro. Em dezembro, a alta foi de 4,45%, bem menor que a variação de 6,73% registrada em novembro passado.

A desaceleração, no entanto, ainda não chegou nos preços praticados no varejo. O IPC (Índice de Preços ao Consumidor) subiu 2,55% em dezembro, mais que os 2,51% verificados em novembro. No ano, os preços no varejo subiram 11,87%.

O INCC (Índice Nacional do Custo da Construção) teve alta de 2,13%, após registrar variação de 2,19% em novembro. A variação acumulada no ano é de 12.45%.

O IGP-M de dezembro foi calculado com base nos preços apurados dos preços entre os dias 21 de novembro e 20 dezembro e tem 60% de seu peso concentrado nos preços ao atacado (IPA). Outros 30% são referentes aos preços ao consumidor (IPC) e os 10% restantes aos custos da construção civil (INCC).