Incra diz que meta de assentamento em 2005 foi superada

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de dezembro de 2005 as 10:11, por: cdb

O Instituto Nacional de Reforma Agrária (Incra) assentou, este ano, 117.500 famílias de trabalhadores sem terra. Segundo o presidente do Incra, Rolf Hackbart, trata-se de um número histórico.

– Esses dados evidenciam que a reforma agrária não está parada. Nunca o Incra assentou tantas famílias em um ano. A meta de 115 mil já foi atingida e superada – afirmou.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, disse acreditar que, até o final do próximo ano, o governo Lula atinja a meta de 400 mil famílias assentadas.

– Com a contratação de mais 1.300 novos funcionários, através de concurso, a melhoria do orçamento e a adequação dos índices de produtividade seguramente iremos atingir todas as nossas metas até o final do ano que vem – afirmou Rossetto.

Cerca de 235 mil famílias foram assentadas pelo Incra desde 2003, mais de 90% da meta do Plano Nacional de Reforma Agrária. Em 32 anos de existência do instituto, 540 mil famílias tiveram acesso à terra.

– Em três anos, produzimos o percentual de 35% de todo o trabalho da história do Incra, o que mostra que a reforma agrária é um dado de realidade – enfatizou o ministro.

Rossetto também destacou o número recorde de famílias que receberam assistência técnica.

– Duas referências que nos entusiasmam e projetam 2006: assistência técnica para 450.700 famílias e a contratação de 4.500 profissionais em todo o Brasil para dar assistência – revelou.

Rolf Hackbart  informou que o orçamento do Incra em 2005 foi de R$ 3,5 bilhões.

– Vamos chegar a execução orçamentária entre 96% e 98% no dia 30. Na área de obtenção de imóveis, 100% dos recursos que nos foram disponibilizados – acrescentou.

 – Vamos ter que suplementar, mas já entramos em 2006 com o orçamento de R$ 1,5 bilhão para obtenção de terras. Já entramos com aquilo que executamos em 2005, suplementado. Isso é muito bom – completou Rossetto.

De acordo com o presidente do Incra, a região norte registrou o maior número de assentamentos. Só no Pará, estado com maior número de mortes e de conflitos no campo, cerca de 13 mil famílias receberam terras. O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra contestou, em nota divulgada hoje, os números do Incra e do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Segundo a nota do MST, o governo Lula inclui nos números da reforma agrária famílias que receberam terras de assentamentos antigos.