Incra aguarda decisão do governo mineiro sobre fazenda em Felisburgo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de janeiro de 2005 as 21:51, por: cdb

O Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) aguarda decisão do estado de Minas Gerais para tomar providências em relação à fazenda Nova Alegria, na zona rural de Felisburgo (MG), que fica no município do Vale de Jequitinhonha, próximo à divisa com o Sul da Bahia. A área de quase 2 mil hectares é alvo de disputa judicial entre o estado e o proprietário, o fazendeiro Adriano Chafik Luedy.

“O Incra acompanha de perto porque é uma questão de conflito social e de luta pela terra, mas é uma área que o Instituto não pode nem vistoriar, porque está ocupada. Então, estamos na expectativa de uma solução judicial para que o estado assuma e coloque a terra à disposição do Incra”, disse o superintendente do Incra em Minas Gerais, Marcos Helenio Leone Pena.

De acordo com o superintendente, um terço do local foi declarado como área de terra devoluta. Ele destaca que o Incra tem procurado participar como mediador de conflitos e que as famílias estão apreensivas, devido à chacina ocorrida no final do ano passado. “Eles estão preocupados com essa decisão da Justiça, consentindo assim que pode haver relaxamento de prisão e com isso eles começam também a ficar mais inseguros lá no acampamento”, afirmou Pena.

Cerca de 80 famílias que ocupam a fazenda mineira recebem assistência do Intituto. “O Incra está acompanhando, fornecendo cesta básica aos acampados, mas a área não está em processo de desapropriação”. Quanto aos conflitos, Pena lembra que o Instituto acompanha o processo no Ministério Público, a fim de conferir o rigor na apuração do crime. “Para evitar novos conflitos, a gente tem solicitado um acompanhamento mais rigoroso da Polícia Federal e da Polícia Militar. Acho que a área já está bem policiada e acredito que não há risco de um novo confronto”.