Incêndio destrói cinco andares do prédio do INSS em Brasília

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de dezembro de 2005 as 14:10, por: cdb

O Corpo de Bombeiros do Distrito Federal levou cerca de duas horas nesta terça-feira para controlar o fogo que destruiu completamente pelo menos cinco andares do prédio do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), localizado na área central de Brasília. O incêndio começou às 7 horas e foi controlado por volta das 10h30. Neste momento, os bombeiros trabalham para combater pequenos focos. Novas explosões foram descartadas e o edifício não corre o risco de desabar. Uma equipe de dez peritos do Corpo de Bombeiros deve elaborar o laudo pericial que vai apontar a causa do incêndio, mas será preciso pelo menos 15 dias para a divulgação do resultado.

A Polícia Federal (PF) também vai investigar o caso, uma vez que o INSS é um órgão vinculado ao Ministério da Previdência Social. O delegado da PF, Valmir Lemos, não descartou a possibilidade de incêndio criminoso e foi ao local acompanhado por peritos. Cerca de 30 funcionários da limpeza e segurança estavam no prédio no início do incêndio e ouviram uma explosão que vinha do 7º andar, onde funciona o departamento de contabilidade e finanças da Previdência. Os agentes da segurança tentaram impedir o avanço das chamas, mas o trabalho foi em vão.

Mesmo os bombeiros tiveram dificuldades para combater o fogo, pois os equipamentos do interior do prédio, que tem cerca de 40 anos de idade, eram muito antigos. As mangueiras, por exemplo, não tinham pressão suficiente e alguns hidrantes estavam inoperantes. De acordo com o comandante-geral do Corpo de Bombeiros do DF, Sossígenes de Oliveira Filho, a temperatura no interior do prédio atingiu cerca de 800 graus. Oliveira Filho, que comandou 30 bombeiros e 45 viaturas que trabalharam no local, lamentou as condições precárias dos equipamentos, o que impediu a agilidade dos trabalhos. Os cerca de mil servidores que chegavam para trabalhar nesta manhã se comoviam diante do cenário de destruição. Papéis e vidros chegaram a ser lançados ao chão com as inúmeras explosões provocadas pelo calor.

O Ministro da Previdência Social, Nelson Machado, não descarta motivação criminosa para o incêndio. Processos contra fraudadores, auditorias, multas e investigações de empresas que devem ou sonegam a Previdência Social podem ter sido seriamente danificados.

– Não descarto… mas não tenho a menor condição de dizer agora se foi ou não criminoso. Temos prejuízos sérios. É praticamente impossível dizer se todos os processos e papéis perdidos no incêndio serão recuperados  – afirmou o ministro a jornalistas. Ele aguardará o resultado da perícia policial, nos próximos 15 dias, para avaliar as causas, mas adiantou que muitos departamentos foram destruídos.