Incêndio atinge seis reservas no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de setembro de 2003 as 10:23, por: cdb

Equipes de combate a incêndios tentam debelar o fogo que está consumindo pelo menos seis reservas diferentes no Brasil. Os locais em chamas são os parques da Chapada dos Veadeiros (GO), da Serra da Canastra, Fernão Dias e Pico da Ibituruna (MG), da Ilha Grande (PR) e do Araguaia (TO).

A maior parte dos casos teve início por causa de queimadas provocadas por agricultores. Heloíso Bueno Figueiredo, diretor do programa de prevenção a incêndios do Ibama, disse que ainda é difícil avaliar os danos ambientais, por causa do grande número de focos de incêndio nesses parques.

“No Mato Grosso, a concentração desses focos de fogo é especialmente alarmante, e temos uma reserva indígena que aparentemente foi afetada”, disse ele, acrescentando que mais incêndios podem começar caso o tempo continue seco e quente.

Figueiredo explicou que normalmente os incêndios nos parques ocorrem nos meses mais secos, de maio a outubro, mas que neste ano as chuvas evitaram esse tipo de problema até duas semanas atrás. “A maior parte dos incêndios é provocada pelas queimadas, uma prática usada de forma ampla e legal na agricultura no Brasil. Neste ano, (por causa das chuvas) os agricultores iniciaram a maior parte das queimadas há 15 dias, e agora temos esses incêndios”, disse Figueiredo, ressalvando que um “ato criminoso” está por trás de pelo menos um dos casos.

O maior incêndio é o do Parque Nacional da Ilha Grande, uma zona de manguezais onde dois helicópteros estão em uso para ajudar os bombeiros. Na Chapada dos Veadeiros, perto de Brasília, 70 bombeiros tentam combater as chamas, que surgiram há cinco dias.

Figueiredo espera que esses dois incêndios sejam debelados até sexta-feira. Mas dois novos focos, especialmente no Parque Nacional do Araguaia, provocam preocupação. Lá, a situação é “bastante crítica”, segundo Figueiredo. O Ibama está monitorando essas áreas com a ajuda de um satélite.