Hu chega à Rússia em sua primeira viagem ao exterior

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de maio de 2003 as 15:53, por: cdb

O presidente da China, Hu Jintao, chegou nesta segunda-feira a Moscou no início de sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu o poder, numa visita cujos objetivos são sublinhar a importância da parceria estratégica e fortalecer os laços econômicos entre as duas nações.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, convidou Hu para um jantar informal nesta segunda-feira. Na próxima terça-feira, os dois manterão diálogos formais no Kremlin.

Em conversa com jornalistas na residência presidencial de Novo-Ogaryovo, nos arredores de Moscou, Hu disse que a escolha da Rússia para sua primeira viagem ao exterior não foi “à toa e tem como objetivo demonstrar o que significa para nós o desenvolvimento de relações” mais profundas com o governo russo.

Putin disse que Hu “não é somente um político experiente, mas é também um político com sentimentos especiais com relação à Rússia”.

Ele afirmou ainda ter um “relacionamento pessoas” com Hu e declarou:

– Eu e minha esposa estamos especialmente honrados por recebcermos nossos amigos chineses não apenas na Rússia, não apenas em Moscou, mas em nossa casa.

No decorrer da semana, os dois líderes participarão em Moscou de uma reunião de cúpula do Grupo de Xangai, um grupo de seis nações que inclui ainda quatro ex-repúblicas soviéticas situadas na Ásia Central.

Durante o fim de semana, Hu também deverá participar das comemorações pelo 300º aniversário de São Petersburgo, capital do antigo império russo.

O líder chinês viaja acompanhado por sua esposa, Liu Yongqing, pelo ministro das Relações Exteriores, Li Zhaoxing, pelo ministro do Comércio, Lu Fuyuan, e por outros funcionários do governo da China.

Entre outros assuntos, Hu e Putin deverão conversar sobre o amplamente discutido projeto de construção de um oleoduto entre Angarsk, no leste da Sibéria, e a cidade chinesa de Daqing.

Uma proposta rival apoiada pelo governo japonês sugere que o oleoduto termine em Nakhodka, uma cidade portuária na costa do Mar do Japão.

O governo russo tenta agradar tanto o Japão quanto a China e apresentou uma sugestão para que o mesmo oleoduto tenha ramificações que levem tanto a Nakhodka quanto a Daqing. Quando concluído, o duto será capaz de bombear diariamente 1,6 milhão de barris de petróleo.