Hormônio combate a tristeza na manhã seguinte, diz estudo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 7 de novembro de 2006 as 18:27, por: cdb

Pessoas que vão para a cama sentindo tristeza e solidão acordam com níveis altos de hormônios que aumentam a energia, diz um estudo publicado nos Estados Unidos. A equipe da Northwestern University, em Illinois, observou os índices de hormônios associados ao estresse em 156 pessoas com idades entre 54 e 71 anos. Os pesquisadores verificaram que o estado emocional de uma pessoa na hora de dormir afeta os níveis do hormônio cortisol, que age como um estimulante do organismo. O estudo aparece na publicação científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

Os pesquisadores queriam saber se os índices de cortisol no organismo eram determinados pelas experiências da pessoa no dia anterior ou no mesmo dia. Amostras de saliva foram colhidas dos voluntários três vezes ao dia. E os cientistas pediram aos participantes que escrevessem um diário relatando como se sentiam todas as noites.

O hormônio cortisol ajuda o organismo a elevar os índices de açúcar no sangue. Ele também aumenta a pressão sangüínea e provoca mudanças no humor e na memória. Os nívels de cortisol são normalmente altos quando as pessoas acordam e aumentam durante os próximos 30 minutos. Eles voltam a cair na hora de dormir.

– Você foi para a cama sentindo solidão e tristeza, aí recebe uma injeção de hormônio na manhã para te dar a energia de que precisa para enfrentar o dia -, disse a cientista Emma Adam.

O estudo também revelou que pessoas que sentiram raiva durante o dia tinham níveis mais altos de cortisol na hora de deitar.

– Índices altos de cortisol à noite são como um indicador biológico de um dia ruim -, disse Adam.

O estudo também mostrou que pessoas com níveis baixos de cortisol pela manhã sentem mais cansaço durante o dia.

– Os mecanismos do estresse são programados para traduzir a experiência social em ação biológica -, disse a cientista.

– Eles são criados para funcionar como um condutor entre o mundo exterior e os nossos mundos internos de forma que possamos responder melhor ao nosso contexto social -, completou.

Comentando o estudo, o psicólogo Allan Norris, da British Psychological Society, disse que “parece plausível. Tanto a idéia de que o cortisol seja uma conseqüência da sensação de tristeza quanto a noção de que ele possa influenciar sentimentos como esse”.

Mas ele disse que dormir poderia ser também um fator importante, dando mais energia a alguém no dia seguinte.

– Se alguém foi para a cama se sentindo solitário e triste, normalmente existe uma razão para isso -, disse.

– É como se a nossa mente estivesse resolvendo os nossos problemas para nós -, explica.