Homem de 62 anos sobrevive 4 meses em barco perdido no mar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de setembro de 2002 as 01:18, por: cdb

Um homem de 62 anos, que saiu para uma viagem de barco de um dia no sul da Califórnia (costa oeste dos EUA), sobreviveu a uma extraordinária odisséia de quatro meses no mar, comendo tartarugas e peixes e capturando pássaros com uma isca atada ao mastro da embarcação.

Um navio de guerra da Marinha dos EUA resgatou Richard Van Pham, um imigrante vietnamita, das águas na costa da Costa Rica em 17 de setembro –a 4.000 quilômetros do local de início da viagem, em Long Beach (Califórnia) disse hoje um porta-voz da Marinha.

Pham contou sua história de sobrevivência em mar aberto, após seu barco de oito metros ter sido desviado de seu roteiro que deveria ter sido de 35 km, de Long Beach para a Ilha Catalina.

No entanto, uma tempestade quebrou o mastro e o leme do barco, tirando a embarcação do curso, disse aos repórters Gary Parriot, capitão da fragata McClusky, que resgatou Pham. O motor e o rádio de Pham também quebraram.

Ele foi levado pela correnteza dia após dia, dormindo, lendo jornais velhos e procurando terra e resgate. Apesar de não ter meios de comunicação, ele conseguiu ver vídeos em uma pequena televisão alimentada por um gerador solar.

Refugiado do Vietnã

O desaparecimento de Pham, refugiado do Vietnã que foi para os Estados Unidos em 1976, nunca foi registrado pois ele disse ao resgate que não tem família e vive em seu barco no porto de Long Beach.

Pham disse que sobreviveu comendo tartarugas, peixes e pássaros e bebendo água da chuva. Ele quebrou o painel de madeira do barco para fazer fogo e tirou sal da água do mar para preservar alimentos.

Ao final da viagem, ele havia perdido 18 quilos e um dente. No dia 17, a ajuda finalmente chegou. Um avião de patrulha da Marinha P-3 que estava em missão antidrogas avistou o barco a 480 quilômetros da Costa Rica e passou a localização por rádio ao McClusky.

Quando o McClusky chegou a Pham, ele pensou que estava perto do Havaí e pediu ajuda para arrumar o mastro para navegar até lá. Depois de examinarem o barco, engenheiros da Marinha persuadiram Pham a deixá-lo.

O McClusky deixou Pham na Guatemala no domingo (22) e, com US$ 800 doados pelos marinheiros, ele comprou uma passagem aérea para Los Angeles. Ele chegou ontem ao aeroporto internacional da cidade.

“Se você viaja no mar, você enfrenta o que encontra”, declarou Pham ao jornal “Los Angeles Times”. “Se ficar com medo, morre”,

Pham passou a noite da volta em um quarto da Califórnia oferecido pela organização Travelers Aid. Seu futuro é incerto.

“Ao que parece, ele não tem família”, comentou Francisco Arcaute, porta-voz do Serviço de Imigração e Naturalização. “Ele não disse para onde iria”.