Hackers de Brasília invadem site do Exército e convocam jovens à luta

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de outubro de 2001 as 21:29, por: cdb

Os hackers que, segundo investigações do governo devem morar em Brasília, após invadir a rede de segurança do site do Exército, inseriram uma “convocação” para que os jovens que nasceram entre 1982 e 1983 se alistassem “urgentemente” para “lutar pela pátria em ajuda às tropas do exército norte-americano”. Em nota oficial, o Centro de Comunicação Social do Exército informa que o conteúdo da mensagem é “completamente falso” e que “jamais foi cogitado” o envio de tropas militares brasileiras ao Afeganistão.

“O Exército brasileiro enquadra-se na posição oficial do governo federal, que tem tratado desse assunto na esfera diplomática”, diz ainda a nota, que está sendo divulgada na página da força. A invasão foi descoberta na manhã de hoje e imediatamente o Exército tirou o site do ar. A página voltou a ser exibida à tarde e os militares estão monitorando-a para evitar novos problemas. Os oficiais já estão investigando o caso e suspeitam que um grupo chamado MiH (Men in Hack) seja responsável pela invasão.

Os hackers diziam ainda que “jovens e adultos não nascidos nos anos citados, mas que queiram se alistar voluntariamente, serão sempre bem vindos. O futuro do mundo, em especial de um mundo sem atos terroristas, depende de você e, fundamentalmente, da capacidade das nossas Forças Armadas, juntamente com as demais nações do mundo, para combaterem com soberania atos covardes e animalescos liderados por radicais religiosos. Tropas brasileiras altamente qualificadas, treinadas, motivadas e bem equipadas estarão sendo enviadas em breve para combater o exército de Osama bin Laden”, diz o invasor.

A página do Exército (www.exercito.gov.br) já foi restabelecida e ali podem ser obtidas informações sobre os cursos que a força oferece, suas atividades e alistamento militar. O site lembra que o serviço militar é obrigatório para jovens que completam 18 anos e que as necessidade de defesa do País têm sido vencidas graças ao atual sistema. O texto lembra também que o País tem o menor porcentual do seu PIB em gastos com defesa dispondo de aproximadamente um soldado para cada 50 quilômetros quadrados.