Gustavo Franco diz que dólar a R$ 2,80 “é irreal”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 21 de setembro de 2001 as 16:27, por: cdb

Para o ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco, a taxa de câmbio doméstica a R$ 2,80 é “irreal”. “Essa taxa é totalmente irreal e não há explicação racional para isto”, comentou, nesta sexta-feira, destacando que o balanço de pagamentos foi positivo no primeiro semeste.

Franco voltou a afirmar que boa parte da desvalorização do real ocorrida este ano tem como motivo a postura passiva do Banco Central nas intervenções neste mercado. Ele lembrou que o BC deveria utilizar os mercados derivativos para conter a escalada da moeda americana. Segundo Franco, seria interessante a utilização de opções cambiais “fora de preço”, como acontece no México e na África do Sul. “Com estas opções, o empresário fica protegido, por exemplo, se acredita que há o risco de o dólar chegar a R$ 3,00. Se não chegar, a opção vira pó e o prêmio vira receita pública.”

Sobre a restrição do FMI à utilização de derivativos, Franco disse que conhece a equipe do Fundo e garantiu que a restrição existe exclusivamente porque a equipe econômica brasileira “tem medo ou preguiça” de explicar ao board do FMI que estes derivativos não são os utilizados, por exemplo, por países como a Tailândia.