Gugu fala sobre entrevista polêmica com supostos membros do PCC

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 16 de setembro de 2003 as 01:42, por: cdb

O apresentador Gugu Liberato se manifestou pela primeira vez na noite da última segunda-feira, no programa da Hebe, a respeito da polêmica envolvendo a apresentação, em seu programa, de uma entrevista com supostos membros da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

Na reportagem, os supostos criminosos ameaçam apresentadores de programas policiais de outras emissoras. Ele admitiu o erro, mas afastou sua responsabilidade ao dizer que não viu a fita antes, e colocou seu chefe de reportagem como único autor da reportagem.

Gugu declarou que, por uma série de incidentes pessoais envolvendo a saúde de seus pais, ele não viu a fita da matéria antes que ela fosse ao ar, e só tomou conhecimento de seu conteúdo ao vivo, quando a reportagem foi apresentada no domingo do dia 07.
 
Segundo sua declaração, todos os aspectos da produção da entrevista ficaram a cargo do chefe de reportagem do ‘Domingo Legal’, Wagner Bafezolli, que, apesar de ter merecido uma lista de elogios por parte do apresentador, agora está afastado do programa. Para ele, o caso agora ‘está nas mãos da Justiça’.

– Foi uma semana trágica para mim – afirmou no início de seu discurso, alegando que seu pai fora operado às pressas por causa de uma embolia e que, no mesmo dia, sua mãe foi diagnosticada com diverticulite.
 
Na última quarta-feira, segundo Gugu, o diretor de seu programa pediu demissão, e só na sexta o chefe de reportagem sugeriu uma pauta relacionada à tentativa de seqüestro do Padre Marcelo.
 
No último sábado à noite,Wagner teria dito que conseguira conversar ‘com os supostos criminosos’ e por isso não teria havido tempo para que o apresentador a assistisse antes do programa, como costuma fazer.

Pouco antes de pedir desculpas pela primeira vez – ato que seria repetiria mais três vezes até o fim de sua participação – Gugu admitiu que ‘erro houve, porque a produção deveria ter dito que não avisou as pessoas citadas na matéria’.
 
Logo depois, ressaltou que não teria motivo para se preocupar com a audiência porque, no domingo em questão, havia um jogo da seleção brasileira, e por isso já considerava a audiência perdida.

Gugu listou uma série de referências profissionais de seu chefe de reportagem, dizendo que ele tinha 31 anos de carreira, passando por Globo e Cultura, mas o apresentou como sendo o único autor da reportagem.
 
Segundo Gugu, o jornalista ‘jura por sua mulher e seus filhos’ que os homens na fita realmente pertencem à facção criminosa. No entanto, o apresentador não garante a veracidade das informações.
 
– Mas ele pode ter sido enganado? Pode. E aí eu fui enganado por tabela – disse o apresentador.
 
Wagner já prestou depoimento à polícia sobre o caso, mas alegou que ordens superiores o impediam de falar sobre o assunto.

Perguntado pela apresentadora se não achava errado ‘dar voz a bandido’, Gugu concordou plenamente.
 
– Dar voz a bandido é um erro quase que imperdoável, mas também há a liberdade de imprensa – afirmou o apresentador.

Quase no final do programa, o apresentador da Bandeirantes José Luis Datena, que foi citado na fita e chegou a registrar queixa contra Gugu, além de dizer que era melhor ele ir ‘fazer a dança do piu-piu’, entrou ao vivo pelo telefone.
 
Datena disse que, diante do pedido de desculpas de Gugu, desistiu de ‘tomar as medidas jurídicas cabíveis’ e retiraria a queixa feita. Ele declarou ainda que as desculpas estão aceitas e que o episódio serviria para que todos passassem a repensar a responsabilidade e a qualidade de seus programas.