Guerra vai elevar preço do aço e prejudicar exportações

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de março de 2003 as 17:58, por: cdb

Uma guerra entre Estados Unidos e Iraque com duração superior a três meses afetará as exportações no setor automotivo. A opinião é do presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Ricardo Ramalho, que se reuniu nesta terça-feira com o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, para discutir os rumos do setor. Segundo Ramalho, se o cenário macroeconômico não mudar muito, as exportações de automóveis podem crescer 20% em relação ao ano passado.

Os recentes aumentos nos preços do aço também foram motivo de preocupação do setor automotivo na reunião com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, para buscar uma saída para a elevação dos custos do setor.

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Ricardo Carvalho, os preços dos aços planos cresceram 63%, entre janeiro de 2002 e janeiro de 2003, enquanto os preços do aço não-plano subiram 51%, no mesmo período. Ramalho alega que os custos das matérias-primas do setor, principalmente aço e plástico, e as elevadas taxas de juros estão pesando a favor da estagnação do mercado interno automotivo em 2003.

Segundo ele, o governo precisa acelerar os acordos comerciais, principalmente com o México, para garantir o incremento nas exportações do setor neste ano.