Guerra vai começar nas próximas horas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de março de 2003 as 18:12, por: cdb

Ministro das Relações Exteriores iraquiano, Naji Sabri rejeitou nesta segunda-feira o ultimato dos EUA, que exige o exílio do presidente iraquiano, Saddam Hussein, como forma de evitar a guerra. Com isso, a invasão das tropas norte-americanas pode ocorrer a qualquer momento. Analistas, no entanto, crêem que o ataque deverá ocorrer após a saída dos inspetores da ONU, o que aconteceu na tarde desta segunda-feira. Os EUA já enviaram mensagem aos governos de todo o mundo, com um alerta para o confronto iminente.

Na manhã desta segunda-feira, os EUA, Reino Unido e Espanha anunciaram que desistiram de tentar aprovar a segunda resolução proposta ao Conselho de Segurança (CS) da ONU para dar início a uma ação militar contra o Iraque.

O ministro das Relações Exteriores iraquiano, Naji Sabri, disse a repórteres que “qualquer criança” no Iraque sabia que o ultimato do presidente, George W. Bush, a Saddam não seria nem cogitado.

– A única opção é a saída do provocador de guerra número um do mundo, o enfraquecido presidente Bush, que fez de seu país uma piada – disse Sabri. Ele afirmou também que a decisão da ONU de retirar sua equipe do Iraque é uma “decisão infeliz”.

Saddam Hussein, à tarde, reconheceu que seu país já possuiu armas de destruição em massa, mas reiterou que atualmente não tem mais esse tipo de armamento. Na tentativa de evitar uma possível invasão liderada pelos EUA no Iraque, Saddam fez a rara declaração durante um encontro com o enviado da Tunísia a Bagdá. Saddam, porém, desafiou as ameaças militares norte-americanas, ao afirmar que os EUA seriam derrotados se atacarem o Iraque.

– Nós não somos colecionadores de armas, mas tínhamos essas armas para nos defendermos quando estávamos em guerra com o Irã por oito anos e quando a entidade sionista nos ameaçava. Não posso dizer que não temos armas banidas se nós tivermos tais armas. Eu confirmo aqui que não temos armas de destruição em massa – afirmou Saddam ao chanceler tunisiano, Habib ben Yahia.

Saddam afirmou que estava cooperando com os inspetores de armas da ONU, que não acharam nenhuma arma de destruição em massa, mas duvidou que o Iraque ganharia uma aprovação da ONU. “Quem seria capaz de declarar que o Iraque está livre de armas de destruição em massa e está obedecendo as resoluções da ONU?”

Saddam reiterou que o Iraque está pronto para derrotar o possível ataque liderado pelos EUA. “Dez Américas não desalojariam o povo do Iraque de sua terra, liberdade, independência e soberania”, afirmou Saddam.

– Se atacarem o Iraque, vão encontrar sob cada pedra e atrás de cada árvore combatentes iraquianos prontos para lutar e morrer como mártires na defesa do Iraque – acrescentou.