Guerra e economia faz Bush perder popularidade nos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 15 de outubro de 2003 as 04:26, por: cdb

A lenta recuperação econômica nos EUA e o incerto andamento da reconstrução no Iraque seguem nublando a popularidade do presidente George W. Bush, segundo uma enquete divulgada na última terça-feira.

Por volta de seis de cada dez americanos consideram ‘inaceitável’ o número de baixas americanas no Iraque e a maioria continua sem apoiar seu modo de lidar com os problemas econômicos do país, segundo uma enquete realizada para o jornal The Washington Post e a cadeia de televisão ABC News.

Embora os indagados apóiem em geral a luta antiterrorista dos Estados Unidos, a sondagem reflete as dúvidas da opinião pública americana sobre os esforços de reconstrução no Iraque, seis meses depois da queda de Bagdá.

A maioria dos indagados também continua considerando como um ‘assunto sério’ o suposto vazamento para a imprensa da identidade de um espião da CIA, e apenas 39 por cento acham que a Casa Branca está cooperando com as investigações a respeito.

Em relação às eleições gerais de 2004, a enquete do Washington Post/ABC News também traz más notícias para Bush, já que apenas 46 por cento dos americanos votariam nele se as eleições acontecessem hoje e outros 47 por cento escolheriam um candidato democrata não especificado.

Mas as opiniões sobre a situação do pós-guerra no Iraque acontecem em linhas quase estritamente partidaristas. Assim, os americanos que acham que a guerra no Iraque foi uma causa justa, que as baixas são toleráveis e que Bush tem uma estratégia clara de saída, lhe apóiam em mais de três por um.

Os americanos que opinaram ao contrário deram um forte respaldo a um candidato democrata.

O mesmo acontece em torno das opiniões sobre o rumo da economia: a grande maioria dos que aprovam sua gestão à frente da economia -mais de 8 de cada 10- disseram que votariam em Bush, enquanto os que o criticam, apoiariam o democrata.

Bush enfrenta as mesmas divisões do eleitorado que em 2000, já que os que tendem a apoiar mais uma vez sua gestão presidencial são os homens, os brancos e as pessoas de altos rendimentos.

A Casa Branca, que refinou sua estratégia informativa em torno do Iraque, prefere destacar que outras enquetes assinalam que 53 por cento dos americanos aprovam sua gestão presidencial, acima dos níveis de aprovação de outros presidentes a ponto de cumprir seu primeiro termo.