Grupos da oposição se reúnem para falar do pós-guerra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de março de 2003 as 16:51, por: cdb

Representantes dos grupos de oposição iraquianos se reunirão nas próximas quarta-feira e quinta-feira na Turquia com autoridades turcas e dos EUA para conversar sobre a iminente guerra no Iraque e fazer preparativos para o período de pós-guerra.

Os participantes, membros dos diversos movimentos iraquianos, chegaram no último domingo (16) à Turquia. Outro que deve se juntar ao grupo é o enviado especial dos EUA para assuntos da oposição iraquiana, Zalmay Khalilzad.

O futuro do norte do Iraque, governado desde 1991 por grupos curdos fora do controle de Bagdá, foi um dos assuntos que, junto com as compensações econômicas, bloquearam a negociação de Washington com Ancara para autorizar um deslocamento militar dos EUA em território turco.

Ancara quer garantias de que os EUA não apoiarão a proclamação de um Estado curdo independente no Curdistão iraquiano, protegido desde o fim da Guerra do Golfo de 1991 pela Força Aérea americana, que sobrevoa diariamente uma “zona de exclusão” que impôs sem consultar a ONU, o mesmo acontecendo no sul do Iraque.

Os curdos, por sua vez, afirmaram em diversas ocasiões que não têm intenção de fundar um estado independente no Curdistão iraquiano.

Nesta segunda-feira, membros da União Patriótica do Curdistão (UPK), um dos grupos que governam o norte do Iraque, pediram em Moscou a criação de um Estado federal no Iraque depois da hipotética queda do presidente iraquiano, Saddam Hussein.

Por sua vez, o enviado especial dos EUA e membros da oposição iraquianos querem que Ancara se mantenha fora do Curdistão iraquiano em caso de guerra.

O secretário de Estado americano, Colin Powell, reiterou no último domingo (16) sua preocupação pelos possíveis confrontos entre os curdos e a tropas turcas caso estas entrem no norte do Iraque.

O jornal Turkish Daily News informou nesta segunda-feira que os EUA pretendem dar a entender a Ancara que, se não participar do ataque militar, também não participará nas negociações do pós-guerra.

“A mensagem dos EUA à Turquia será clara: se não se unir à coalizão, não terá lugar nas reuniões com a oposição iraquiana no futuro”, informou o jornal.