Grupo de Risco apresenta A Vida é Sonho

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de setembro de 2001 as 12:24, por: cdb

O Grupo de Risco, companhia teatral infantil, apresenta nesta temporada, de 15 de setembro a 9 de dezembro, sempre aos sábados, às 17h, e domingos, às 16h, Teatro Miguel Falabella – Norte Shopping, Zona Norte do Rio de Janeiro, a peça “A Vida é Sonho”, adaptação para o teatro infantil da obra prima de Calderón de La Barca, escrita em 1635.

A peça conta a história do príncipe Segismundo da Polônia, que vive trancafiado desde que nasceu, sem conhecer nada do mundo. O rei Basílio, seu pai, o prendeu em uma torre para não perder o poder, já que, antes do seu nascimento, ele teve uma terrível premonição; leu nas estrelas que o filho cometeria crimes e desgraças contra o seu país.

A rainha, sua mãe, morreu durante o parto e, naquele mesmo dia, uma grande tempestade se abateu sobre a Polônia. Diante destes fatos, o rei se convenceu de que a profecia iria se realizar e mandou prender o menino, dizendo ao povo que o príncipe nasceu morto.

Muitos anos se passaram e o rei, já no fim de sua vida, pensa em quem poderá ser o herdeiro do trono e decide dar uma chance ao filho. Segismundo bebe uma poção mágica, que o faz dormir. Ele é levado ao castelo durante o sono. Quando acorda está cercado de riquezas. A partir daí a história se desenrola cheias de surpresas e aventuras.

A MONTAGEM

O texto é um dos mais perfeitos dramas filosóficos de todo o século XVII espanhol.
A montagem do Grupo de Risco utiliza-se de músicas, cenas de ação, brincadeiras e muita alegria para falar de temas como a liberdade, o poder, o sonho, a realidade, o destino e etc, e coloca a criança diante de uma maravilhosa aventura, com o objetivo de provocar a reflexão e, ao mesmo tempo, o entretenimento. Trata-se de um grande “conto-de-fadas” contado por um dos maiores dramaturgos da história.
Nós, do GRUPO DE RISCO, percebemos que muitas vezes a capacidade de compreensão que os “pequenos” têm do mundo é subestimada. Acreditamos que nunca é cedo para apresentarmos, ao público infantil, trabalhos com qualidade literária. Procuramos dedicar à criança todo o respeito que ela merece.

PEDRO CALDERÓN DE LA BARCA.

No ano passado comemoramos o quarto centenário do autor, que nasceu em Madrid, no ano 1600.
De família nobre, estudou Teologia no Colégio Imperial de Madrid. Depois freqüentou as Universidades de Alcalá de Henares e Salamanca. Aos 13 anos de idade escreveu o seu primeiro drama, El Carro Del Cielo (O Carro do Céu).
De 1623 a 1629, foi incorporado ao exército espanhol, servindo em Milão e no Flandres. Quando voltou à Espanha, passou a dedicar-se inteiramente à literatura.
Junto com Lope de Vega e Quevedo, Calderón de la Barca foi um dos três grandes nomes do “Século de Ouro” espanhol. Seu trabalho foi favorecido pela corte e admirado pelo público. A fama o acompanhou desde cedo e, logo, se tornou o dramaturgo oficial do rei, em 1637.
Aos 51 anos, Calderón decidiu-se pela vida religiosa, disposto a deixar também a atividade literária. A insistência do rei Filipe IV, fez com que ele retomasse a pena, que só abandonaria na hora da morte.
A sua produção literária foi enorme; mais de 200 obras, que compreendem 120 comédias, oitenta autos e cerca de vinte outras peças de diversos gêneros, como as peças filosóficas, os dramas religiosos e as tragédias.
Sua obra representa a síntese e o apogeu do teatro clássico espanhol. Sua literatura anuncia a entrada do homem na Idade Moderna.
Pedro Calderón de la Barca morreu em Madrid a 25 de maio de 1681.

GRUPO DE RISCO

O grupo nasceu na Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek, em 1995, a partir da oficina teatral ministrada por Mauro Marques aos alunos daquela escola. É um grupo de jovens atores que busca uma linguagem própria. Já montou peças, esquetes e realizou leituras dramatizadas de autores como, Ariano Suassuna, Bertolt Brecht, Shakespeare, Sófocles, Ionesco, Jean Tardieu, David Ives, Quent