GREVE NACIONAL NA ARGENTINA REVELA RACHA DENTRO DE CENTRAL SINDICAL

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 27 de junho de 2012 as 09:33, por: cdb

BUENOS AIRES, 27 JUN (ANSA) – Uma paralisação nacional de 24 horas apoiada por partidos de direita e de esquerda e por sindicatos patronais do campo começou hoje na Argentina, após a convocação do secretário-geral da Confederação Geral do trabalho (CGT), Hugo Moyano.
   
Essa é a primeira greve nacional em 12 anos. Apesar de vários setores estarem mobilizados, os meios de transporte público funcionam normalmente, assim como os hospitais públicos e bancos.
   
Moyano, que protesta contra os impostos salariais, enfrenta uma crise dentro da própria central sindical que dirige pelo constante enfrentamento com o governo. Ele é acusado por sindicatos que irão disputar o comando da CGT nas eleições de 12 de julho por “buscar de um mesquinho benefício pessoal”.
   
Em um informe, publicado nos principais jornais argentinos, 19 das 35 agremiações que forma a central sindical afirma que defendem a eliminação dos impostos, mas “não marchamos atrás de decisões pessoais e ao lado de inimigos dos trabalhadores que escondem na realidade uma clara intenção política”.
   
Muitos grupos próximos a Moyano, que buscará a reeleição, decidiram tirar o apoio e criticaram a postura do dirigente.
   
Por outro lado, suas reivindicações são apoiadas por sindicatos patronais e pela maioria dos partidos políticos, incluindo representantes no Congresso do governista Frente para a Vitória, que, no entanto, atribuem à paralisação um caráter “político”. (ANSA)