Greve de médicos residentes completa 15 dias e atinge 20 estados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 16 de novembro de 2006 as 21:31, por: cdb

Cerca de 16 mil médicos residentes de todo o país estão parados há 15 dias e reivindicam reajuste de 53,7% na bolsa de residência, fim da “sobrecarga de trabalho” e da contribuição obrigatória para a Previdência Social.

As negociações com o governo federal começaram há um ano e meio e desde então houve duas paralisações, mas nada de concreto foi feito, de acordo com o secretário executivo da Associação Nacional de Médicos Residentes (ANMR), Aníbal Abelin.

O governo federal enviou na semana passada um projeto de lei à Câmara dos Deputados, em caráter emergencial, prevendo reajuste de 30% no valor da bolsa. Mas Abelin afirma que isso não traz garantias para a categoria.

– Estamos temerosos porque sabemos que é difícil um projeto de lei ser votado rapidamente. Achamos que o ideal seria o governo editar uma medida provisória contemplando pelo menos 30%, em caráter de urgência -, sugere o secretário executivo.

Feito isso, na opinião dele, o governo deveria se posicionar de maneira oficial sobre como poderia ser feito o reajuste dos 23,7% restantes.

– Aceitamos a proposta do governo desde que tenhamos garantia dos outros 23,7% e de que o INSS vai voltar a ser facultativo -, disse, referindo-se à contribuição para o Instituto Nacional de Seguridade Social.

O Ministério da Educação alega que a paralisação tem na verdade o objetivo de pressionar o Congresso, pois já houve acordo com os residentes pelo aumento de 30% em caráter emergencial, segundo a assessoria de comunicação. Em seguida, os ministérios da Saúde, Educação e a ANMR formariam uma comissão para discutir o reajuste de 23,7% e outras reivindicações.

Aníbal Abelin reclama que os residentes são mal remunerados e trabalham acima das 60 horas semanais exigidas por lei. Atualmente, o valor bruto da bolsa é R$ 1.400. Mas com o INSS e o Imposto de Renda, o valor cai para até R$ 1.080.

A greve teve início no dia 1º de novembro e já atinge 20 estados. Cerca de 70% dos atendimentos no Sistema Único de Saúde (SUS) são realizados por residentes.