Graziano faz elogios a adesão de religiosos ao Fome Zero

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 18 de outubro de 2003 as 22:12, por: cdb

O ministro extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome, José Graziano, disse neste sábado que a adesão dos religiosos é de fundamental importância para ampliar o alcance do programa.

– Essa participação, esse voluntariado que se agrega hoje, é muito importante para conseguirmos atingir àquelas famílias nos lugares mais difíceis, que são os excluídos de fato – disse o ministro.

Diferentes correntes religiosas em São Paulo aderiram à iniciativa do governo de combater à fome no País. O evento “Fé no Voluntariado” reuniu cerca de 30 representantes religiosos no Estádio do Pacaembu, para se engajar na proposta do Programa Fome Zero. O mesmo ocorreu no Estádio do Morumbi, na zona Sul da cidade.

Como exemplo de se alcançar famílias em lugares díficeis, o ministro José Graziano citou a experiência da região do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. Segundo ele, o governo demorou três meses para cadastrar 5 mil famílias no Fome Zero, número considerado insuficiente.

– Então, fiz uma reunião com os Vicentinos, em Minas, que têm uma grande capilaridade e fazem esse trabalho cotidianamente, e nós saltamos, três meses depois, para 85 mil famílias – disse acrescentando que “nesse período 80 mil famílias foram encontradas, checadas e cadastradas.

Graziano explicou ainda que os dirigentes das mais diversas correntes religiosas sabem de seu papel no movimento de voluntariado, necessário para um eficaz combate à fome. “Eles entendem com clareza o alcance do Programa Fome Zero e importância de montar essa rede de solidariedade”, afirmou.

O grande obstáculo para o sucesso do programa, segundo o ministro, é localizar e organizar as famílias de pessoas excluídas, que mais precisam. “A igreja é uma forma de organização, muito importante para a organização dos excluídos”, acrescentou Graziano.