Gravadoras iniciam processos contra downloads ilegais

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 17 de outubro de 2006 as 17:58, por: cdb

A Associação Brasileira dos Produtos de Discos (ABPD) iniciou nesta terça-feira processos contra 20 usuários de downloads ilegais no Brasil. A associação, que reúne as principais gravadoras nacionais, divulgou uma pesquisa que revela que a pirataria movimentaria o equivalente a 115 milhões de CDs por ano no Brasil, contra 55 mil da indústria legal.

A ABPD escolheu usuários que disponibilizaram entre três e cinco mil músicas na rede para download gratuito ilegal e os denunciou em processos cíveis. Segundo Paulo Rosa, diretor da ABPD, a intenção é mostrar às pessoas a gravidade da pirataria digital e educar pais e filhos contra essa prática.

A Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI em inglês) anunciou nesta terça-feira que está dando início a uma nova leva de oito mil processos em todo o mundo contra supostos compartilhadores de arquivos online. A finalidade é encorajar o uso de serviços autorizados de downloads. As novas ações estão sendo implementadas em 17 países, incluindo o Brasil.

A IFPI estima que, somente no Brasil, foram baixados ilegalmente um bilhão de músicas em 2005. Segundo a Federação, os ganhos das gravadoras n Brasil, o maior mercado da América Latina, caíram à metade desde 2000.

Em todo o mundo, a IFPI acredita que 20 bilhões de músicas são baixadas por uploaders em redes de compartilhamento como eMule e Kazaa. Este último, foi multado em US$ 100 milhões, em julho deste ano, por promover a oferta de músicas ilegais.