Grampo na Bahia: mais dois indiciados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de março de 2003 as 18:29, por: cdb

O delegado da Polícia Federal, Gesival Gomes, que apura o caso dos grampos telefônicos na Bahia indiciou nesta quarta-feira por falsificação de documentos e escuta telefônica ilegal os policiais civis Alberto Fernandes Freire e Edmilson Bispos dos Santos, que integravam a equipe do delegado especial Valdir Barbosa.

Barbosa e o assessor técnico da Secretaria de Segurança Pública da Bahia e Alan Farias também já foram indiciados no inquérito que apura o caso. Uma pessoa é indiciada num inquérito policial quando o delegado que o preside suspeita que ele tem algum tipo de envolvimento no delito.

Freire e Santos foram ouvidos pelo delegado Gesival Gomes e o promotor da República Édson Abdon Peixoto entre a noite de terça-feira e a manhã desta quarta-feira na superintendência da Polícia Federal de Salvador. Eles que foram sido citados por Farias em depoimento à polícia como pessoas incumbidas de ouvir o conteúdo das fitas de telefones grampeados supostamente de membros de quadrilhas de seqüestradores, e a partir dessas conversas indicar novos números para investigação.

No depoimento, os dois afirmaram que não realizaram nenhuma escuta ilegal, só as autorizadas pela Justiça para investigar integrantes de quadrilhas de seqüestradores. Não convenceram o delegado Gomes e o promotor Peixoto. “Eles entraram em várias contradições”, comentou Peixoto. “Parece mesmo que os depoimentos dos envolvidos foram combinados, sempre para passar aquela idéia de que não sabiam de nada, de que havia uma desorganização na Secretaria de Segurança Pública”, disse.