Governo reitera que não vai colocar dinheiro público na Varig

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de abril de 2006 as 10:01, por: cdb

O governo evitou promessas e reagiu com muita cautela à demanda de ajuda à Varig feita por funcionários que se mobilizaram em algumas cidades e na capital federal nesta terça-feira. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em conversa informal com jornalistas durante cerimônia no Itamaraty, disse que não cabe ao governo financiar companhias de capital privado como a Varig.

– Não é papel de governo salvar empresa privada da falência. O governo está preocupado e quer ajudar a Varig a arrumar uma solução, mas não acho que temos que pôr mais dinheiro público na empresa. Eu ouço falar da crise da Varig há muito tempo e, cada vez que me falam disso, o buraco é sempre maior, está sempre devendo um bilhão a mais – afirmou o presidente, que indicou que a companhia aérea poderia ser mais eficiente.

A Varig deve, atualmente, US$ 7 bilhões.

– A TAM e a Gol estão ganhando muito dinheiro. Não entendo como a Varig tem prejuízo operacional voando – comentou Lula.

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, reforçou a posição do governo no momento de crise da Varig.

– A solução para isso tem que ser de mercado. Qualquer solução para a Varig que não envolva gasto do dinheiro público é sempre favorável – disse a jornalistas.

Em um tom mais conciliador, o ministro da Defesa, Waldir Pires, prometeu a representantes dos funcionários da Varig, após duas horas de reunião, que vai tentar ajudar a companhia “dentro dos limites da lei”. Segundo a assessoria de Pires, o ministro considerou a proposta dos funcionários “sensata”. Durante todo o dia, mais de 300 funcionários da endividada companhia aérea fizeram manifestação em Brasília com o objetivo de encaminhar a proposta elaborada por eles ao governo.

De acordo com o diretor do Sindicato dos Aeroviários, Cláudio Fonseca, a proposta inclui, entre outras sugestões, a suspensão por três meses do pagamento à BR Distribuidora e à Infraero, o encontro de contas de dívidas entre a União e a Varig, e a redução temporária do salário dos funcionários. Segundo a assessoria do Ministério da Defesa, além de Pires, participaram da reunião parlamentares e o ministro do Trabalho, Luiz Marinho.

– O ministro recebeu com bons olhos a proposta e prometeu levar a outras instâncias do governo. Ele é favorável a uma ajuda oficial, desde que seja dentro da lei – disse a porta-voz, informando que na quarta-feira os funcionários vão se reunir com o Tribunal de Contas da União (TCU).