Governo paulista cria força-tarefa para combater crescimento da dengue

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de março de 2007 as 20:03, por: cdb

O crescimento de notificações oficiais de dengue no interior do estado levou a Secretaria de Saúde paulista a se mobilizar e iniciar nesta quarta-feira o trabalho de uma força-tarefa que tem como missão reunir-se com todos os secretários de saúde dos 645 municípios do estado até o próximo sábado. O trabalho da força-tarefa consiste em reiterar as medidas de prevenção e combate e trocar informações sobre necessidade de equipamentos e recursos e a realidade de cada cidade, segundo a assessoria de comunicações da Secretária Estadual de Saúde do governo de São Paulo.

A força-tarefa é formada por 35 pessoas, chefiadas pelo coordenador da Superintendência do Controle de Endemias (Sucem), Affonso Viviani Júnior e iniciou as reuniões com secretários municipais na cidade de Araraquara. De 1º de janeiro a 9 de março último, o Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado registrou 5.326 casos de dengue contra 5.322 casos registrados no mesmo período do ano passado, sem ocorrência de mortes. Esses números são enviados pelas prefeituras após confirmação de laboratório pelo Instituto Adolfo Lutz, na capital, e totalizados semanalmente.

Porém, segundo a assessoria da Secretaria, os números semanais fechados no dia 9 indicam um crescimento de 82% de casos confirmados em relação aos números da semana anterior. Por isso, existe uma possibilidade concreta de expansão acelerada da doença e, como o calor tem persistido, a Secretaria decidiu acentuar o trabalho preventivo. De acordo com a secretaria, foram contratados este ano, em caráter de emergência, 406 agentes para apoiar os trabalhos de prevenção e combate à dengue feitos pelos municípios.

Apesar dos totais de casos computados no mesmo período dos dois anos serem praticamente idênticos, eles abrangem cidades em que a dengue está diminuindo e outras em que a doença cresceu rapidamente. O quadro mais sério, com crescimento de confirmações da doença está em cidades do norte e noroeste do estado. Birigui é cidade de maior incidência, com 531 neste ano, seguida por Ilha solteira (480), Bebedouro (456), São José do Rio Preto (386) e Araçatuba (354).