Governo francês coloca policiais em ônibus para evitar ataques

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de outubro de 2006 as 20:51, por: cdb

O ministro do Interior da França, Nicolas Sarkozy, anunciou, nesta quinta-feira, que os ônibus urbanos que passam por áreas nas quais acontecem agressões com freqüência, especialmente na periferia de Paris, contarão com a presença de policiais.

– Decidi mobilizar forças móveis a serviço da segurança dos que usam meios de transporte públicos -, declarou Sarkozy para a imprensa após uma reunião com diretores de várias empresas do setor.

Nos últimos dias foram registrados vários ataques a ônibus urbanos realizados por indivíduos encapuzados que posteriormente colocavam fogo no veículo. Estes incidentes acontecem quando se completa, amanhã, um ano desde que uma série de distúrbios na periferia de Paris teve início após a morte acidental de dois jovens que eram perseguidos pela Polícia.

Os dois rapazes morreram eletrocutados em Clichy-sous-Bois (norte de Paris). Na mesma noite, jovens da localidade começaram a queimar carros, em um fenômeno que se espalhou pelo território da França e que obrigou o Governo a decretar estado de emergência.

Os ataques a ônibus dos últimos dias e o temor de que a fagulha de agressividade volte a se espalhar novamente levaram Sarkozy a adotar a medida de colocar policiais nestes veículos, como uma forma de dissuadir os indivíduos violentos e favorecer a segurança dos passageiros.

Na reunião com as empresas de transporte, que aconteceu no Ministério do Interior, foi feita uma análise das linhas mais suscetíveis a ataques e os horários de maior risco. Sarkozy não explicou o tipo de operação que será realizada e se limitou a afirmar que amanhã acontecerá um novo encontro na sede da Prefeitura de Paris com vários comandantes policiais para “terminar de decidir as medidas que serão adotadas”.

Já o primeiro-ministro da França, Dominique de Villepin, disse que as forças da ordem se encarregarão de procurar os responsáveis por estes ataques para colocá-los diante da Justiça.