Governo fluminense começa a licitar obras para acabar com inundações provocadas pelas cheias do Rio Muriaé

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de março de 2012 as 16:31, por: cdb

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A licitação para as obras de construção do primeiro dos cinco extravasores (espécie de canal) para drenar as águas do Rio Muriaé e acabar com as inundações em Lage do Muriaé, município da região noroeste fluminense, em épocas de cheias do rio, deve ocorrer no próximo mês.

De acordo com o subsecretário de Projetos e Intervenções Especiais do estado, Antonio da Hora, responsável pela elaboração dos projetos, foram feitos diversos estudos para identificar e controlar as cheias até o limite da calha do rio. Segundo ele, será construído um canal para fazer o desvio das águas, reduzindo os danos que as enchentes causam aquelas regiões no período de chuvas.

“Depois de muitos anos de sofrimento da população do noroeste do estado, principalmente as cidades que margeiam o Rio Muriaé e o Rio Pomba, o governo do estado resolveu fazer investimentos importantes para o controle de cheias ou a reduzir os danos que as enchentes em período de cheias sempre fazem naquela região”, disse.

Na construção do primeiro dos cinco extravasores serão investidos cerca de R$ 80 milhões. Ao todo estão assegurados cerca de R$ 300 milhões para execução das cinco obras que serão feitas nos próximos dois anos.

Antonio da Hora disse ainda que a previsão é que a obra no Rio Muriaé seja concluída antes do próximo verão. “Nós queremos terminar ainda este ano. A nossa expectativa é que já no próximo verão se tenha um beneficio para a população, ou seja, no próximo período de cheias a população esteja realmente protegida”, declarou.

As obras vão se estender também às cidades de Itaperuna, Italva e Cardoso Moreira, todas banhadas pelo Rio Muriaé, e em Santo Antônio de Pádua, cortado pelo Rio Pomba, onde a previsão é construir uma barragem, orçada em R$ 200 milhões.

Segundo o subsecretário, o governo do estado busca mais recursos para completar o orçamento, que deve chegar a R$ 500 milhões. Dessa forma, “a estimativa de acabar com as enchentes nos dois rios está prevista até 2014, quando todas as obras estarão concluídas”.

 

Edição: Aécio Amado