Governo Federal mandará reforço de 18 mil policiais para o Pan

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 9 de fevereiro de 2007 as 11:07, por: cdb

O policiamento dos Jogos Pan-Americanos de julho vai envolver até 18 mil agentes. Segundo o secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Fernando Corrêa, cerca de 11 mil virão de fora do Rio para que a segurança rotineira não fique prejudicada.

A maior parte do reforço virá da Força Nacional, que concentrará 6 mil homens e mulheres sobretudo nos locais de competição e nos entornos. Parte do contingente já está no Rio por conta de solicitação do governo estadual e deve contar, em breve, com o auxílio de 24 aeronaves que estão sendo compradas para o evento.

Em cada um dos oito batalhões da PM envolvidos, haverá 700 policiais da Força Nacional e outros 400 ficarão de reserva em caso de incidentes. O policiamento ostensivo será de relacionamento, sem armas pesadas, mas tropas de choque que não estarão nas ruas darão resposta rápida a distúrbios.

A Polícia Federal mandará 3 mil agentes para o Rio. Parte deles ficará em delegacias móveis, montadas em parceria com a Polícia Civil. O reforço da Polícia Rodoviária Federal deve ficar entre 1.500 e 2 mil homens.

Efetivo pode aumentar

Segundo o secretário, esse número ainda pode aumentar à medida que autoridades dos 42 países do continente confirmem presença no Rio. Os responsáveis pelo esquema de segurança trabalham até com a hipótese de todos os chefes de Estado comparecerem.

A última versão do plano, conta com o apoio de 388 novas câmeras, que também vão ajudar no monitoramento do trânsito, já fiscalizado por 102 aparelhos. Dessas, 220 serão compradas pela prefeitura para vias estratégicas, ainda não vigiadas pela CET-Rio. É o caso da maioria dos túneis, que receberão 130 aparelhos, da Avenida Brasil, Linha Amarela e Linha Vermelha. Todas as câmeras estarão ligadas ao Centro de Operação dos Jogos, na Central do Brasil.

Contra ataques terroristas

Também farão parte do esquema de segurança, 160 cães farejadores, helicópteros e aeronaves. Para evitar ataques e atentados com explosivos, uma divisão anti-bombas estará pronta para atuar em qualquer local relacionado ao Pan, com equipamentos recém-adquiridos pelo governo federal e com o apoio técnico da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) e da Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea). Além de prevenção contra explosivos, o esquema de segurança do Pan prevê varreduras para evitar ataques com materiais químicos, biológicos e até nucleares.

A agência internacional estará doando equipamentos ao Brasil para a capacitação de técnicos. Os locais de competição serão monitorados, mas a preocupação maior é com a Vila do Pan, que será totalmente inspecionada antes da chegada dos atletas.

Nesta quinta-feira, a Organização Desportiva Pan-Americana (Odepa) aprovou a proposta do CO-Rio de utilização de estrutura provisória na Marina da Glória para a realização das provas de vela do Pan. A infra-estrutura de terra do lugar também será aproveitada para a realização das competições.

A consulta foi necessária já que o projeto de ampliação da Marina não foi aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Segundo o órgão, a proposta adulteraria a paisagem do Aterro do Flamengo, que é tombado.