Governo dos EUA libera bilhões de dólares para o combate ao terrorismo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de setembro de 2001 as 09:15, por: cdb

A Otan, a Organização do Tratado do Atlântico Norte, disse que iria responder de forma conjunta ao ataque aos Estados Unidos, se ficar comprovado que foi cometido por uma pessoa ou organização de fora dos Estados Unidos.

Pela primeira vez a Otan vai usar o artigo quinto do Tratado, que diz que os membros da aliança deveriam se ajudar em caso de ataque externo. Ao invocar essa cláusula, a Otan está preparando caminho para uma retaliação militar coletiva.

Em Washington, o secretário de Defesa americano, Donald Rumsfeld, começou a preparar as tropas americanas para um conflito próximo. “Mais – muito mais – será esperado de vocês nas semanas e meses que estão por vir”, afirmou o secretário em nota enviada aos militares. Em Washington, os líderes do Congresso e a Casa Branca concordaram em reservar US$ 20 bilhões para os esforços de resgate, reconstrução e combate ao terrorismo, depois dos ataques de ontem em Washington e Nova York. O presidente George W. Bush foi ao Pentágono verificar in loco os efeitos do atentado sofrido pelo centro de inteligência americano e disse que estava “oprimido pela devastação”.

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, descreveu como “um ato de guerra” os ataques desta terça-feira ao World Trade Center e ao Pentágono.

Prioridade

Num pronunciamento na Casa Branca, Bush disse que os Estados Unidos iriam fazer o que fosse preciso para pegar os responsáveis pelos ataques.

O secretário de Estado americano, Colin Powell, disse que a maior prioridade do governo Bush seria a construção de uma rede mundial para combater qualquer forma de terrorismo.

O diretor do FBI, Robert Mueller, disse numa entrevista coletiva que várias pessoas que participaram do planejamento dos atentados continuavam nos Estados Unidos e tinham sido identificados.

O ministro da Justiça, John Ashcroft disse que alguns dos seqüestradores tinham recebido treinamento como pilotos nos Estados Unidos.

Ele disse que essa era a maior investigação já conduzida nos Estados Unidos, e afirmou que entre três e seis pessoas estavam envolvidas no seqüestro de cada avião.

Colin Powell também disse que, tanto a Casa Branca como o avião presidencial, o Air Force One, eram alvos dos ataques. Isso poderia explicar o atraso do presidente em retornar a Washington, quando foi informado da tragédia.