Governo do Estado entra na Justiça para tapar buracos na BR-101

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de dezembro de 2005 as 09:46, por: cdb

Fucionários do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) tentaram dar início, na manhã desta quinta-feira, à operação tapa-buracos na BR-101 Norte, no trecho entre Niterói e Campos, conforme determinou, na véspera, a governadora Rosinha Garotinho. A operação, no entanto, foi impedida em diversos trechos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), que foi acionada pelo Departamento Nacional de Infra-estrutura Terrestre (Dnit). Os patrulheiros apreenderam as carteiras de habilitação dos motoristas de caminhões e tratores do DER.

A  governadora Rosinha Garotinho decidiu ir à justiça contra governo federal para garantir a realização das obras na BR-101. Por determinação da governadora, a Procuradoria Geral do Estado entra nesta sexta-feira com ação civil pública na Vara Federal da Capital contra o Departamento Nacional de Infra-estrutura de Trânsito (Dnit). A ação visa obrigar o Dnit a fazer os reparos na rodovia, no trecho que vai da Região dos Lagos até o Espírito Santo, num prazo de 30 a 60 dias, sob pena de aplicação de multa diária de R$ 1 milhão.

 – Cansei de esperar por uma atitude do governo federal em relação à BR-101. Nada foi feito. Agora que tomei a decisão de fazer o que era uma obrigação do presidente Lula, eles não querem deixar por motivos políticos. Isso demonstra o tamanho do espírito público do presidente da República. Na hora em que precisamos da Polícia Rodoviária Federal para impedir o contrabando de armas e o tráfico de drogas nas estradas federais que cortam o Rio de Janeiro, eles sempre dizem que não têm efetivo. Mas para proibir que operários do governo do estado recuperem a estrada, aparece um batalhão de policiais. É bom que a população preste atenção nesses fatos – disse Rosinha.

A ação que será proposta solicita a autorização da justiça para que o estado possa fazer os reparos urgentes, enquanto o Dnit não começar a obra. Segundo o procurador-geral do Estado, Francesco Conte, o objetivo da ação é defender a segurança dos usuários, assunto de interesse coletivo, que fundamenta a ação civil pública.