Governo da Somália decreta estado de alerta contra tropas da Etiópia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de março de 2003 as 11:34, por: cdb

O Governo de Transição da Somália (GTS) decretou estado de alerta máximo para seu Exército, em uma reação às informações de intensa movimentação de tropas e equipamentos militares da Etiópia nas proximidades de sua fronteira com o país.

No mês passado, o primeiro-ministro etíope, Meles Zenawi, admitiu à BBC ter enviado tropas ao país vizinho ocasionalmente para atacar integrantes do grupo militante islâmico al-Ittihad.

No entanto, o ministro do Exterior da Etiópia, Tekede Alemu, afirmou em um programa de rádio que as mais recentes alegações sobre movimentação de tropas na fronteira seriam “completamente falsas”.

Ele refutou também as acusações do governo de Mogadishu de que a Etiópia estaria concentrando suas tropas na fronteira e desmentiu as informações de que tropas de seu país já teriam invadido a Somália.

Negociações

Por causa da crise, o conselho dos ministros da Somália se reuniu em caráter emergencial para discutir como reagir no caso de um ataque etíope.

A reunião, que teria sido tensa, também discutiu os temores de que um ataque à Somália poderia acontecer logo depois de uma eventual ofensiva americana contra o Iraque, para aproveitar o fato de que a atenção do mundo estaria voltada para o Oriente Médio.

O encontro de emergência também teve como objetivo pedir à comunidade internacional que intensifique as pressões sobre a Etiópia para que o país pare de interferir nos assuntos domésticos somalis.

A Etiópia acusa o GTS de ter ligação com movimentos fundamentalistas islâmicos e já deu apoio armado a facções da Somália que se opõem ao GTS.

A administração somali tem pouca influência nas regiões mais distantes da capital, Mogadishu, mas várias facções espalhadas pelo país têm algum tipo de aliança com ela.