Governo britânico prepara anúncio sobre envio de tropas ao Golfo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 4 de janeiro de 2003 as 19:34, por: cdb

O governo britânico está pronto para anunciar, na próxima semana, o envio de tropas para o Golfo Pérsico, intensificando os preparativos iniciados pelos Estados Unidos para uma possível guerra contra o Iraque.

Neste sábado, o Ministério da Defesa informou à CNN que “os preparativos para termos opções confiáveis” estavam em andamento, a fim de disponibilizar soldados britânicos para o caso de uma ação militar.

O jornal Daily Telegraph publicou que a mobilização envolveria 20 mil soldados e 7.000 reservistas britânicos.

As notícias vêm à tona um dia após o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, ter discursado perante 4.000 soldados em Fort Hood, no Texas, e tê-los deixado de sobreaviso.

“Estamos prontos, estamos preparados”, disse Bush.

Mais de 60 mil soldados norte-americanos já estão no Golfo e o contingente deverá aumentar em dobro nas próximas semanas.

Na Grã-Bretanha, passado o recesso de Natal e Ano Novo, espera-se que o primeiro-ministro Tony Blair ou o secretário de Defesa, Geoff Hoon, anunciem ao Parlamento, na próxima terça-feira, o envio de tropas.

Por outro lado, segundo uma reportagem do tablóide The Sun, a possibilidade de uma guerra parece vir amainando nos últimos dias.

O jornal publicou que os ministros do gabinete de Blair colocam em 60 por cento as chances de não haver guerra. Antes do Natal, a proporção era exatamente inversa: 60 por cento apostavam na guerra e 40 por cento, não.

Blair decidiu colocar as tropas em alerta no mês passado. Em mensagem de Natal, o premier disse que os militares deveriam estar preparados para lutar contra o Iraque se Saddam Hussein não cumprisse as exigências das Nações Unidas no que diz respeito ao desarmamento.

O premier também se desculpou pela incerteza enfrentada pelos soldados que seriam mobilizados.

“No momento, simplesmente não sabemos se o Iraque incorrerá em uma brecha da resolução da ONU”, disse.