Governo adota “dois pesos e duas medidas” sobre dívida, acusa Garotinho

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de janeiro de 2005 as 14:39, por: cdb

O secretário de Segurança do Rio de Janeiro e ex-governador do Estado, Anthony Garotinho (PMDB), acusou há pouco o governo federal de adotar “dois pesos e duas medidas” em relação ao pagamento das dívidas do Estado do Rio e da cidade de São Paulo. Para Garotinho, o governo Lula maltrata o Rio de Janeiro e não gosta do Estado.

– Felizmente, para São Paulo, mas infelizmente para nós, o governo federal é profundamente apaixonado por São Paulo. Dou os parabéns ao povo paulista, que não tem, evidentemente, nada a ver com esta história (de preferência política), mas que saiu em vantagem – disse, ao chegar ao Hotel Jaraguá Inn, em São Paulo, para participar de encontro com lideranças do seu partido.

De acordo com ele, o governo federal deu “inequívocas provas” de favorecimento a São Paulo. Ao relatar que, no primeiro dia de mandato de sua esposa, a governadora Rosinha Matheus, as contas do Estado foram bloqueadas para efetuar o pagamento de um débito com a União deixado pela antecessora Benedita da Silva (PT), ele e sua esposa procuraram o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e o secretário nacional do Tesouro, Joaquim Levy, para solicitar o desbloqueio das contas e renegociar o pagamento.

– Diziam ser impossível qualquer mudança de prazo ou facilidade – afirmou.

Por outro lado, lembrou Garotinho, a gestão Marta Suplicy (PT) foi beneficiada pelo governo, sem ter suas contas bloqueadas, mesmo tendo pago parcelas incompletas e em atraso.

– Foi uma forma de preservar o modo petista de desgovernar – criticou. Ao ser indagado, por que o governo também não havia favorecido Benedita da Silva, com esse mesmo precedente, o secretário respondeu que “seria mais interessante, naquele momento, prejudicar o Garotinho do que ajudar a Benedita”.