Governador do Maranhão acusa Roseana de emperrar investimentos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de janeiro de 2005 as 09:40, por: cdb

Depois de uma audiência com o ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, no Palácio do Planalto, o governador do Maranhão, José Reinaldo Tavares (PTB), se queixou de dificuldades para a instalação para a instalação de uma usina siderúrgica no Estado por causa da briga política que está tendo com senadora Roseana Sarney (PFL), candidata a uma vaga de ministra no governo federal.

De acordo com Tavares, o Maranhão está correndo o risco de perder um investimento de US$ 11 bilhões, nos próximos 12 anos, porque até agora não foi liberado o terreno da União para instalação da usina. O governador afirmou que um afilhado político de Roseana, o superintendente da Secretaria de Patrimônio da União (SPU) no Maranhão, Luiz Bulcão, estaria emperrando a negociação, por orientação da senadora.

– Picuinha política não pode prejudicar um investimento deste porte no Estado – queixou-se José Reinaldo.

Afirmou que isso é “uma visão errada de fazer política, uma visão menor, que está prejudicando o Maranhão, o Estado mais pobre do país. Para ele, o “o maior projeto siderúrgico da América Latina corre risco por causa dessa picuinha política”.

De acordo com o governador, é preciso resolver o impasse até maio. Caso contrário, os investimentos não virão para o Brasil. Ele disse que o ministro Aldo Rebelo ficou de encaminhar o assunto dentro do governo federal.

A assessoria da senadora Roseana informou que ela não comentaria as declarações do governador José Reinaldo e não quis falar da possibilidade de Roseana se tornar ministra. Indagado se achava que o fato de ela virar ministra poderia prejudicar o Maranhão, o governador afirmou que sim, mas assegurou que não iria levar essa preocupação ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.