Gaúchos criticam indústria de calçados argentina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de dezembro de 2001 as 03:06, por: cdb

Os empresários gaúchos do setor coureiro-calçadista reagiram ao protesto dos argentinos contra a invasão dos calçados brasileiros sugerindo que os vizinhos do Mercosul aprimorem a competitividade de sua indústria. Para Flávio Fischer, presidente da Associação Comercial e Industrial de Novo Hamburgo e Campo Bom, que representa cerca de 1.300 empresas, a reação dos argentinos é normal diante da crise, mas improcedente. “Se forem competentes, podem produzir sapatos e entrar no Brasil”, disse Fischer.

“Antes dessa crise, quando o câmbio estava favorável a eles, não estavam preocupados.” Segundo o empresário gaúcho, os argentinos já estão há dois anos tentando impor cotas para a importação de sapatos brasileiros, mas não resolvem o seu problema estrutural, que é o sucateamento do parque industrial. Fischer comparou a situação cambial desfavorável a Argentina com os problemas enfrentados pelo Brasil por causa dos calçados da China.

“Sofremos pela mão-de-obra quase escrava que existe na China e faz o preço deles ficar lá embaixo, mas buscamos contornar isso melhorando nossa qualidade. Não adianta ficar nos queixando.”